sicnot

Perfil

Cultura

Nomeações dos Prémios Sophia lideradas por filme de António Pedro Vasconcelos

O filme "Amor impossível", de António-Pedro Vasconcelos, lidera as nomeações para os Prémios Sophia, da Academia Portuguesa de Cinema, que foram anunciadas hoje, na Cinemateca Portuguesa, em Lisboa.

"Amor impossível" soma 17 nomeações, em 19 categorias, entre as quais a de melhor filme e de melhor realizador, à semelhança de "Yvone Kane", de Margarida Cardoso, com dez nomeações, e "Montanha", de João Salaviza, com oito. "Capitão falcão" também soma dez nomeações, mas nenhuma delas para melhor filme ou realizador.

A atriz Carmen Dolores e o diretor de fotografia Fernando Costa serão homenageados com o Prémio Sophia de carreira, na cerimónia desta quinta edição dos prémios, que se vai realizar a 13 de maio, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

Para melhor filme, além das longas-metragens de António-Pedro Vasconcelos, Margarida Cardoso e João Salaviza, foi igualmente nomeada a segunda parte da trilogia de Miguel Gomes, "As Mil e Uma Noites - Volume 2, O Desolado".

Os quatro cineastas são também os candidatos ao Prémio Sophia de melhor realizador e os seus filmes estão presentes nas principais categorias, entre as quais representação, argumento e montagem.

No ano passado, António-Pedro Vasconcelos liderou igualmente as nomeações da Academia Portuguesa de Cinema, com "Os gatos não têm vertigens", que acabou por receber nove das 15 categorias para as quais estava nomeado.

"O pátio das cantigas", de Leonel Vieira, soma duas nomeações: melhor direção artística (Rui Alves) e melhor banda sonora (Nuno Malô).

O filme, inspirado livremente na comédia clássica de Francisco Ribeiro, subiu à liderança de bilheteira, em 2015, conquistando o primeiro lugar de filme português mais visto em sala, desde o início da contagem estatística regular, em 2004, ao ultrapassar os 607 mil espetadores, de acordo com as estatísticas do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Entre os candidatos contam-se ainda "Pára-me de Repente o Pensamento", de Jorge Pelicano, "Alto Bairro", de Rui Simões, "Portugal- Um Dia de Cada Vez", de João Canijo e Anabela Moreira, e "Volta à Terra", de João Pedro Plácido, na categoria de documentário de longa-metragem.

"Fora da Vida", de Filipa Reis e João Miller Guerra, "A Torre", de Salomé Lamas, "Atopia", de Luís Azevedo e Alexandre Marinho, e "Africa Abençoada", de Aminata Embalo, são os candidatos a melhor documentário em curta-metragem.

Na animação, destacam-se as "curtas" de Abi Feijó ("Nossa Senhora da Apresentação"), Alice Guimarães e Mónica Santos ("Amélia & Duarte"), Rita Cruchinho Neves ("Vígil") e André Ruivo ("O Campo à Beira Mar").

Para melhor "curta" de ficção, os nomeados são "O Rebocador", de Jorge Cramez, "Rampa", de Margarida Lucas, "Aula de Condução", de André Santos e Marco Leão, e "A Glória de Fazer Cinema em Portugal", de Manuel Mozos.

As bandas sonoras de Norberto Lobo ("Montanha"), José M. Afonso ("Amor Impossível) e Pedro Marques ("Capitão Falcão") também são candidatas ao prémio academia.

A 13 de maio será igualmente entregue o prémio Sophia Estudante, criado para distinguir a produção de alunos de escolas de cinema do país.

Os Prémios Sophia, que distinguem os profissionais do cinema nacional pelos seus próprios pares, foram lançados em 2012.

Lusa

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual, onde aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.