sicnot

Perfil

Cultura

Funeral de Francisco Nicholson realiza-se esta quinta-feira

As cerimónias fúnebres do ator e encenador Francisco Nicholson têm início quarta-feira, na Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde partirá o funeral, na quinta-feira, para o Cemitério do Alto São João, informou a agência funerária.

O corpo de Francisco Nicholson "estará em câmara ardente (...) a partir das 18:30, nas Capelas Exequiais da Basílica da Estrela", e, no dia seguinte, "pelas 10:00, terão início as exéquias fúnebres, seguindo o funeral para o Crematório do Cemitério do Alto São João em Lisboa", informou hoje, em comunicado, a agência Servilusa.

Francisco Nicholson morreu hoje, aos 77 anos, no hospital Curry Cabral, em Lisboa, na sequência de um transplante hepático que realizara há alguns anos, segundo a assessoria da Casa do Artista.

A Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) manifestou "o seu pesar" pela morte do ator, "associado da cooperativa desde 1960 e seu cooperador desde 1973".

Nicholson foi membro da administração da SPA liderada por Luiz Francisco Rebello, de março de 1992 a julho de 2001, adiantou a cooperativa em comunicado.

Ator, encenador, dramaturgo, argumentista, Francisco António de Vasconcelos Nicholson nasceu em Lisboa a 26 de junho de 1938 e somou mais de 50 anos de carreira profissional.

Escreveu "Vila Faia", a primeira telenovela portuguesa, deu forma a "Riso e ritmo", programa pioneiro de comédia, na televisão, na década de 1960, e apostou na renovação do teatro de revista, com a cooperativa Adoque.

Em 2014 publicou o romance "Os mortos não dão autógrafos".

Lusa

  • Ator e dramaturgo Francisco Nicholson morreu aos 77 anos
    1:45

    Cultura

    Morreu Francisco Nicholson, uma das personalidades mais importantes da escrita e da representação em Portugal. O ator, dramaturgo, argumentista e encenador tinha 77 anos. As cerimónias fúnebres têm início amanhã na Basílica da Estrela, em Lisboa, de onde partirá o funeral, na quinta-feira, para o Cemitério do Alto São João.

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.