sicnot

Perfil

Cultura

Souto de Moura premiado pela Bienal Ibero-americana de Arquitetura

O arquiteto Eduardo Souto de Moura foi premiado pela X Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo (BIAU), em Madrid, "pelo importante contributo do seu ensino em universidade de diversos países".

Eduardo Souto Moura.

Eduardo Souto Moura.

(Lusa/Arquivo)

O júri da Bienal, que se reuniu hoje, em Madrid, galardoou o arquiteto português Souto de Moura - selecionado entre outras 21 candidaturas apresentadas - também pela sua "obra cheia de emoção".

Na escolha pesaram ainda "as enriquecedoras relações entre diferentes escalas, lugares e momentos da sua obra", e a capacidade de "experimentar com novos materiais e estruturas".

O arquiteto de 63 anos, nascido no Porto, premiado com o Pritzker em 2011, assinou, entre outros projetos, o Estádio Municipal de Braga, a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, e o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança.

A X Bienal Ibero-americana de Arquitetura e Urbanismo tinha recebido a candidatura de Souto de Moura, através da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa.

No certame foram ainda premiados 26 projetos, seis livros, duas publicações e uma coleção de vídeos.

A BIAU, iniciativa do Ministério do Fomento do Governo de Espanha, promove o intercâmbio de experiências entre arquitetos e urbanistas dos países latino-americanos, Espanha e Portugal, debatendo os grandes problemas do setor.

Comissariada pelos arquitetos espanhóis Ángela García de Paredes e Ignacio G. Pedrosa, em conjunto com Álvaro Puntoni, comissário adjunto em São Paulo, a bienal recebeu, nesta edição, um total de 1.111 projetos.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.