sicnot

Perfil

Cultura

Portugueses podem ajudar Rock in Rio a plantar árvores na Amazónia

Os portugueses são chamados a contribuir para a compra de árvores a plantar na Amazónia, visando a luta contra a desflorestação, num projeto ambiental promovido pelo Rock in Rio que pretende ultrapassar um milhão de novas plantas.

(Lusa)

(Lusa)

JOSE SENA GOULAO

O Rock in Rio, um dos maiores festivais musicais do mundo, vai abrir portas a 19 de maio, no parque da Bela Vista, em Lisboa, e uma das novidades desta edição é a angariação de ajuda para cumprir o objetivo de plantar, pelo menos, um milhão de árvores autótones na bacia do rio Xingu, na Amazónia brasileira.

A associação de defesa do ambiente Quercus juntou-se a outras organizações e está a colaborar com o festival para promover esta iniciativa, integrada no projeto Amazónia Live, como disse à agência Lusa um dos seus vice-presidentes, Nuno Sequeira.

"É um projeto mundial e a capacidade de mobilização de uma iniciativa deste tipo é muito grande", apontou Nuno Sequeira, explicando que os portugueses podem participar com um donativo destinado à compra de árvores.

O donativo pode ser concretizado no site do Rock in Rio, "com um valor mínimo pouco abaixo de um euro (depende da cotação da moeda brasileira), correspondente à plantação de uma árvore", referiu.

Depois, durante os cinco dias do festival, podem ser compradas pulseiras pelo valor equivalente a uma árvore a plantar na Amazónia.

Até à data do início do festival, a organização vai apostar em várias formas de promover este projeto e criar outros incentivos à participação dos apreciadores de música, dos defensores do ambiente, mas também de todos os outros cidadãos.

Nuno Sequeira recordou a importância da floresta tropical, como a Amazónia, para o equilíbrio do planeta, nomeadamente a conservação de espécies em risco, a absorção de dióxido de carbono ou a regulação do clima.

E se "os benefícios da Amazónia são sentidos em todo o planeta, os prejuízos consequência da sua destruição também o são", realçou.

O projeto global Amazónia Live tem como meta plantar pelo menos três milhões de árvores em áreas desmatadas até 2019.

Além da plantação de árvores, no início de abril, o Rock in Rio também anunciou um concerto com o tenor Plácido Domingo e a cantora brasileira Ivete Sangalo em agosto num palco flutuante montado na floresta amazónica.

Em declarações à agência Lusa, aquando da apresentação da iniciativa no Rio de Janeiro, Roberto Medina, presidente do Rock in Rio, reforçou que a Amazónia é o "grande palco do mundo" e, por isso, a sociedade tem obrigação de cuidar da floresta.

"O projeto não beneficia apenas o Brasil, mas todos os países do mundo. A Amazónia tem 20% da água doce do mundo e transpira 20 mil milhões de litros de água por dia. Ela interfere no meio ambiente do planeta como um todo", destacou.

A desflorestação é um dos problemas apontados como responsáveis pelas alterações climáticas, por quebrarem o equilíbrio natural relacionado, por exemplo, com a captação do dióxido de carbono.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.