sicnot

Perfil

Cultura

Portugueses podem ajudar Rock in Rio a plantar árvores na Amazónia

Os portugueses são chamados a contribuir para a compra de árvores a plantar na Amazónia, visando a luta contra a desflorestação, num projeto ambiental promovido pelo Rock in Rio que pretende ultrapassar um milhão de novas plantas.

(Lusa)

(Lusa)

JOSE SENA GOULAO

O Rock in Rio, um dos maiores festivais musicais do mundo, vai abrir portas a 19 de maio, no parque da Bela Vista, em Lisboa, e uma das novidades desta edição é a angariação de ajuda para cumprir o objetivo de plantar, pelo menos, um milhão de árvores autótones na bacia do rio Xingu, na Amazónia brasileira.

A associação de defesa do ambiente Quercus juntou-se a outras organizações e está a colaborar com o festival para promover esta iniciativa, integrada no projeto Amazónia Live, como disse à agência Lusa um dos seus vice-presidentes, Nuno Sequeira.

"É um projeto mundial e a capacidade de mobilização de uma iniciativa deste tipo é muito grande", apontou Nuno Sequeira, explicando que os portugueses podem participar com um donativo destinado à compra de árvores.

O donativo pode ser concretizado no site do Rock in Rio, "com um valor mínimo pouco abaixo de um euro (depende da cotação da moeda brasileira), correspondente à plantação de uma árvore", referiu.

Depois, durante os cinco dias do festival, podem ser compradas pulseiras pelo valor equivalente a uma árvore a plantar na Amazónia.

Até à data do início do festival, a organização vai apostar em várias formas de promover este projeto e criar outros incentivos à participação dos apreciadores de música, dos defensores do ambiente, mas também de todos os outros cidadãos.

Nuno Sequeira recordou a importância da floresta tropical, como a Amazónia, para o equilíbrio do planeta, nomeadamente a conservação de espécies em risco, a absorção de dióxido de carbono ou a regulação do clima.

E se "os benefícios da Amazónia são sentidos em todo o planeta, os prejuízos consequência da sua destruição também o são", realçou.

O projeto global Amazónia Live tem como meta plantar pelo menos três milhões de árvores em áreas desmatadas até 2019.

Além da plantação de árvores, no início de abril, o Rock in Rio também anunciou um concerto com o tenor Plácido Domingo e a cantora brasileira Ivete Sangalo em agosto num palco flutuante montado na floresta amazónica.

Em declarações à agência Lusa, aquando da apresentação da iniciativa no Rio de Janeiro, Roberto Medina, presidente do Rock in Rio, reforçou que a Amazónia é o "grande palco do mundo" e, por isso, a sociedade tem obrigação de cuidar da floresta.

"O projeto não beneficia apenas o Brasil, mas todos os países do mundo. A Amazónia tem 20% da água doce do mundo e transpira 20 mil milhões de litros de água por dia. Ela interfere no meio ambiente do planeta como um todo", destacou.

A desflorestação é um dos problemas apontados como responsáveis pelas alterações climáticas, por quebrarem o equilíbrio natural relacionado, por exemplo, com a captação do dióxido de carbono.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.