sicnot

Perfil

Cultura

Rui Chafes feliz e honrado com Prémio Pessoa

O escultor Rui Chafes, que recebeu hoje o Prémio Pessoa, disse não saber se merece o galardão, mas afirmou "sentir-se feliz, extremamente honrado e emocionado", por o galardão lhe ter sido atribuído.

"Não sei se mereço este prémio, provavelmente nunca o saberei, provavelmente nunca ninguém o saberá, olhando para a lista de personalidades premiadas, investigadores, criadores, pensadores das várias áreas das ciências e das humanidades. E olhando para a notável lista de pessoas que constituem o júri, não tenho a certeza de estar à altura das pessoas que me antecedem, nem das expectativas que o meu trabalho continuará a criar", começou por dizer o homenageado, que discursou durante cerca de 20 minutos.

A cerimónia de entrega contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do presidente executivo do Grupo Impresa, Francisco Pedro Balsemão, em representação do seu pai, Francisco Pinto Balsemão, que preside ao júri, mas que se encontra com "uma forte gripe", explicou, e ainda de Álvaro Nascimento, presidente do conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos, que copatrocina o Prémio Pessoa.

O cenário para a 29.ª cerimónia de entrega do galardão foi a sala da Culturgest.

Na assistência, estavam, entre outros, os ministros da Cultura e da Justiça, respetivamente, Luís Castro Mendes e Francisca Van Dunem, o secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e o presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Artur Santos Silva.

O Prémio Pessoa "é uma iniciativa de referência no nosso país, pela seriedade, imparcialidade, que norteia o seu percurso", disse o escultor, de 49 anos, acrescentando que a sua pontualidade anual "vai-nos dando referências e orientando na esperança de um mundo, onde não existam apenas pessoas transformadas em peças de máquinas, geridas pelas regras paradigmáticas e destruidoras da economia do mundo".

Lusa

  • Rui Chafes recebeu o Prémio Pessoa

    Cultura

    Rui Chafes recebeu hoje o Prémio Pessoa das mãos do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Pela primeira vez um escultor recebe o Prémio que, desde 1987, distingue uma personalidade nacional que se tenha destacado nas áreas da cultura ou da ciência. O Prémio Pessoa, no valor de 60 mil euros, é uma iniciativa do jornal Expresso, com o apoio da Caixa Geral de Depósitos.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.