sicnot

Perfil

Cultura

Flores comestíveis "brilham" em mostra gastronómica em Grândola

As flores comestíveis são as "estrelas" de uma mostra gastronómica de cozinha criativa que começa no sábado em 14 restaurantes de Grândola, no distrito de Setúbal, promovida pela câmara municipal, foi hoje divulgado.

Designada "Em Abril Flores Mil", a iniciativa, a realizar até ao dia 01 de maio, combina "arte e cultura culinária" e integra as comemorações do 42.º aniversário do 25 de Abril neste concelho do litoral alentejano.

"As comemorações do 25 de Abril contam pelo, segundo ano, com uma iniciativa esteticamente aliciante e desafiadora dos nossos palatos", referiu a autarquia.

A mostra gastronómica pretende explorar "a coincidência do símbolo" da Revolução de Abril "ser uma flor, o cravo vermelho, das celebrações anuais ocorrerem em plena primavera e das tendências da nova cozinha, que recorrem cada vez mais à inclusão de produtos novos, incluindo as flores comestíveis".

Um total de 14 restaurantes do concelho associou-se à iniciativa, permitindo a degustação de criações culinárias em que "brilham" as flores comestíveis.

Macarrão apimentado com flores, galo estufado em vinho tinto com arroz, cenoura vinagrete e flores, salada de vieiras com mistura de alfaces e flores acompanhada de espumante fresco ou sangria de vinho branco com ervas aromáticas e flores são algumas das iguarias que vão constar das ementas.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.