sicnot

Perfil

Cultura

Promotora do concerto dos AC/DC em Portugal aceita devolver preço dos bilhetes

A promotora Everything is New revelou hoje que devolverá o preço dos bilhetes do concerto dos AC/DC, agendado para 7 de maio em Algés, a quem fizer um pedido entre esta sexta-feira e o dia 26.

© Scanpix Sweden / Reuters

Na página oficial no Facebook, a promotora anunciou que decidiu fixar um período de devolução do preço dos bilhetes "entre as 10:00 do próximo dia 22 de abril (sexta-feira) e as 19:00 do dia 26 de abril (terça-feira), nos respetivos locais de aquisição".

O concerto em Portugal está esgotado há várias semanas, pelo que a promotora sublinha que "os bilhetes devolvidos serão disponibilizados, de imediato, para venda".

A promotora tomou a decisão depois de o grupo australiano ter anunciado no domingo que a digressão europeia, que começa a 7 de maio no Passeio Marítimo de Algés, contará com Axl Rose no lugar do vocalista Brian Johnson, que teve que abandonar os palcos por razões de saúde.

A mudança na banda motivou várias queixas dos espetadores portugueses nas redes sociais e na Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor (DECO), exigindo devolução de bilhetes.

Na quarta-feira, a DECO tinha defendido, em comunicado, que a promotora do concerto devia devolver o preço dos bilhetes aos espectadores que se sentirem "defraudados nas expectativas".

De acordo com a legislação de 2014 sobre o funcionamento dos espectáculos de natureza artística, o promotor só está obrigado a restituir o valor do bilhete quando não se realiza o espectáculo no local, data e hora marcados, quando há uma substituição do programa ou dos artistas principais ou quando há uma interrupção do espectáculo.

Em comunicado, a DECO afirma que a substituição de Brian Johnson por Axl Rose "é uma mudança de circunstâncias que defrauda as expectativas dos fãs. (...) A troca de um desses elementos, neste caso, o vocalista, representa uma mudança de circunstâncias importante".

O músico Brian Johnson sofre de graves problemas de audição e, por recomendação médica, teve que abandonar a realização de concertos. O grupo acabou por convidar Axl Rose para o substituir na próxima digressão.

Na terça-feira, já depois de a banda ter anunciado de Axl Rose como vocalista convidado, Brian Johnson emitiu uma declaração na qual manifesta a desilusão por ter sido obrigado a tomar a decisão de abandonar os palcos e por desapontar os fãs.

"Quero assegurar aos nossos fãs que não me vou reformar. Os médicos disseram-me que eu posso continuar a gravar em estúdio e é isso que tenciono fazer. De momento, quero concentrar-me nos tratamentos médicos para melhorar a audição", afirmou o músico de 68 anos.

  • Axl Rose é o novo vocalista dos AC/DC

    Cultura

    O cantor dos Guns n' Roses, Axl Rose, vai juntar-se aos AC/DC na atual digressão mundial da banda australiana, que vai passar por Portugal no próximo mês, substituindo Brian Johnson, que sofre de surdez. E é precisamente em Lisboa que acontece o primeiro concerto desta formação.

  • Axl Rose nos AC/DC? "Quero o meu dinheiro de volta"
    1:15

    Cultura

    O anúncio oficial de que Axl Rose é o novo vocalista, ainda que temporário, dos AC/DC está a ser muito contestada por fãs da banda australiana, incluindo em Portugal onde a nova formação se vai estrear. Nas redes sociais perde-se a conta a quem exige o reembolso pelos bilhetes já comprados. E o próprio Brian Johnson, o vocalista substituído por doença, também não terá gostado da ideia.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15