sicnot

Perfil

Cultura

Dia Mundial da Dança assinalado hoje de norte a sul do país

O Dia Mundial da Dança, que se assinala hoje, vai ser marcado pela estreia de novas peças dos coreógrafos Rui Horta e Olga Roriz, além de espetáculos, aulas e workshops de norte a sul do país.

© Alexandre Meneghini / Reuters

O Dia Mundial da Dança foi instituído em 1982, pelo Conselho Internacional da Dança (CID), entidade criada sob a égide da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A data foi escolhida para recordar o nascimento do coreógrafo francês Jean-Georges Noverre (1727-1810), um dos pioneiros da dança moderna.

Hoje, estreiam-se peças de dois destacados coreógrafos portugueses: Rui Horta apresenta a sua versão do clássico "Romeu e Julieta", com música de Bruno Pernadas, pela Companhia Nacional de Bailado (CNB), no Teatro Camões, em Lisboa, às 21:00; e Olga Roriz, "Antes que matem os Elefantes", centrada na guerra, pela companhia em nome próprio, às 22:00, no Centro Cultural de Ílhavo, distrito de Aveiro.

No Barreiro, é apresentado, pela companhia Quorum Ballet, o bailado "Correr o Fado", que pretende quebrar com a tradicional forma de ver, ouvir e sentir o Fado. A apresentação realiza-se às 21:30, no Auditório Municipal Augusto Cabrita.

Também hoje, arranca o ÁfricAdançar, a 9.ª edição do Campeonato Internacional de Kizomba, que se prolonga até 01 de maio, no Salão Preto e Prata, do Casino Estoril.

No sábado, em Sintra, tem início da 5.ª edição do Festival Corpo - Encontro Internacional de Dança, que irá decorrer até domingo, na Quinta da Ribafria, onde o público poderá assistir a mostras de dança, 'workshops' e terapias para o corpo, assistir a espetáculos, participar em diferentes aulas ou visitar o centro de exposições.

Por todo o país, grupos de dança, escolas e associações realizam espetáculos e 'workshops' para o público em geral, com o objetivo de festejar uma arte cuja universalidade é destacada pelas instituições internacionais.

Lusa

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.