sicnot

Perfil

Cultura

LEGO arrepende-se de não ter fornecido peças ao artista Ai Weiwei

O fabricante dinamarquês admite que foi "um erro" não ter vendido Legos ao artista chinês Ai Weiwei. Em entrevista ao Wall Street Journal, o vice-presidente da empresa e neto do fundador diz que foi "um erro interno".

Exposição na antiga prisão de Alcatraz, nos EUA, em 2014, de retratos de dissidentes políticos de todo o mundo feitos com peças Lego.

Exposição na antiga prisão de Alcatraz, nos EUA, em 2014, de retratos de dissidentes políticos de todo o mundo feitos com peças Lego.

Reuters

A empresa dinamarquesa entrou numa acesa polémica no outono passado após ter recusado fornecer Legos a Ai Weiwei, alegando que "não podia aprovar a sua utilização em obras de cariz político".

Ao conhecer a decisão da empresa, o artista e ativista político escreveu nas redes sociais "Linda decisão # liberdade de expressão".

O responsável Kjeld Kirk Kristiansen afirma agora ao Wall Street Journal que a decisão de não vender a grande quantidade de Legos requisitada pelo artista foi tomada "a nível inferior na empresa pelo serviço de apoio ao cliente". Garante que foi o resultado da má interpretação feita por um funcionário da política de neutralidade da empresa, sem nenhuma intervenção da administração. "É um exemplo típico do que pode acontecer numa grande empresa", diz.

Em janeiro deste ano, o fabricante dos pequenos tijolos de plástico a Lego já tinha anunciado que deixava de exigir conhecer o destino das suas peças. No caso de desejarem apresentar publicamente o trabalho feito com as peças, os clientes devem, contudo, deixar claro que o grupo Lego não apoia ou necessariamente aprova os projetos em causa.

Pintor, escultor e artista plástico, Ai Weiwei também é conhecido pelas suas críticas ao governo chinês, tendo usado, em 2014, peças Lego para criar retratos gigantes de dissidentes políticos de todo o mundo, expostos na antiga prisão de Alcatraz, nos EUA.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.