sicnot

Perfil

Cultura

Presidente da República entrega Prémio Graça Moura a Eduardo Lourenço

O Prémio Vasco Graça Moura - Cidadania Cultural vai ser entregue no próximo dia 18, às 18:00, ao ensaísta Eduardo Lourenço, no auditório do Casino Estoril, nos arredores de Lisboa, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

LUSA

Esta é a primeira edição do galardão instituído pela Estoril Sol, em parceria com a editora Babel, em homenagem à memória do escritor e político Vasco Graça Moura, falecido em abril de 2014. O Prémio tem periodicidade anual e o valor pecuniário de 40 mil euros.

O nome de Eduardo Lourenço, atualmente conselheiro de Estado, foi conhecido no passado dia 3 de janeiro, tendo sido escolhido por unanimidade por um júri presidido por Guilherme d'Oliveira Martins, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, e ex-presidente do Tribunal de Contas e do Centro Nacional de Cultura.

Em ata, o júri realçou o "percurso intelectual do premiado" que "corresponde inteiramente aos objetivos definidos aquando da criação deste prémio".

"Trata-se de uma personalidade multifacetada que se singulariza pela coerência entre um pensamento independente e aberto e uma permanente atenção à sociedade portuguesa, à sua cultura, numa perspetiva universalista, avultando a reflexão sobre uma Europa aberta ao mundo e nunca fechada numa qualquer fortaleza encerrada no egoísmo e no preconceito", escreveu o júri.

"Em tempos de incerteza trata-se de uma voz de esperança, que apela ao diálogo e à paz, com salvaguarda da liberdade de consciência e do sentido crítico. A sua heterodoxia mantém-se viva e atual, em nome do compromisso cívico com a liberdade e a responsabilidade solidária", é salientado na mesma ata.

"Acresce que Vasco Graça Moura manifestou em diversas circunstâncias expressamente a sua admiração pela personalidade de Eduardo Lourenço como intelectual e cidadão, em especial quando foi o principal promotor da candidatura vencedora do ensaísta ao Prémio Europeu de Ensaio Charles Veillon (1988), a propósito da publicação de Nós e a Europa ou as duas razões", recordou o júri.

"O reconhecimento de uma personalidade largamente consagrada constitui assim e também uma homenagem a Vasco Graça Moura, que tanto apreciava a obra e a pessoa de Eduardo Lourenço", remataram os jurados.

Além de Guilherme d'Oliveira Martins, que presidiu, o júri foi constituído pela catedrática de Literatura Maria Alzira Seixo, os escritores Liberto Cruz e José Manuel Mendes, o ensaísta Manuel Frias Martins, Maria Carlos Loureiro, da direção-geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, e ainda por José Carlos Pereira, em representação da Babel, e Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu, pela Estoril Sol.

Eduardo Lourenço, que completa 93 anos no próximo dia 29, é um dos mais reconhecidos ensaístas portugueses, e ao Prémio Vasco Graça Moura - Cidadania Cultural junta outros galardões, como o Prémio Pessoa, em 2008, e o Prémio Camões, em 1995.

O filósofo e ensaísta, que confessou, em 2014, nunca ter visitado a Internet, reconheceu "a felicidade nos jovens que encontram, nesse espaço, visibilidade", mas mostrou-se preocupado com a "transformação do espaço privado em espaço público".

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.