sicnot

Perfil

Cultura

Cinema europeu pede clemência para cineasta iraniano condenado a 223 chicotadas

Mais de 30 grandes entidades cinematográficas europeias apelaram hoje ao Governo do Irão para conceder clemência a um jovem cineasta iraniano condenado a 223 chicotadas no país.

© Regis Duvignau / Reuters

Keywan Karimi, de 30 anos, arranjou problemas com os Guardas Revolucionários iranianos por causa de um documentário que filmou chamado "Writing on the City" ("Escrevendo na Cidade") sobre 'graffiti' na capital, Teerão.

"É totalmente inaceitável que pelo simples ato de expressar o seu olhar artístico e crítico, Karimi esteja na lista de artistas a quem a liberdade -- se não mesmo a própria vida -- foi roubada", escreveram os organismos numa carta aberta à República Islâmica.

Karimi passou 15 dias em solitária em 2013 e foi acusado de fazer "propaganda contra o regime" e de "insultar os valores religiosos".

Mas desde então, várias outras "ridículas acusações" foram adicionadas, entre as quais beber álcool, ter relações fora do casamento e fazer pornografia, disse o vanguardista cineasta à agência de notícias francesa AFP na semana passada.

"Eu só estava a filmar o que estava a ser escrito nas paredes de Teerão", disse o jovem realizador, pertencente à minoria curda do país.

Karimi foi condenado a seis anos de prisão em 2015, mas, após um apelo internacional em que aclamados cineastas iranianos como Jafar Panahi e Mohsen Makhmalbaf se uniram para o defender, cinco anos da pena foram suspensos.

Contudo, a ameaça das 223 chicotadas não foi retirada, e as autoridades prisionais estão agora a exigir que a punição seja executada.

"Não sou um ativista político, não estou a ser mandado para a prisão porque me oponho ao regime, mas porque sou um cineasta", disse Karimi à AFP numa entrevista por telefone.

"Escrevendo na Cidade" tem sido, desde então, exibido em festivais de cinema em França, Espanha e Suíça e, entretanto, Karimi continuou a trabalhar noutro projeto de filme.

"Estou à espera que me venham buscar. O apoio que tenho recebido ajuda a combater a solidão, e a solidariedade do mundo do cinema também me aquece o coração", acrescentou.

Lusa

  • Top Gun faz 30 anos
    2:34

    Cultura

    Top Gun estreou no cinema há 30 anos. O filme que lançou Tom Cruise na fama mundial foi um dos maiores êxitos de sempre. O tema dos Berlin "Take My Breath Away", composto por Giorgio Moroder, ganhou um Óscar de melhor canção original. Realizado por Tony Scott, o filme retrata a formação de um piloto da Marinha norte-americana. Tom Cruise e o produtor Jerry Bruckheimer querem lançar uma sequela em janeiro de 2017.

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.