sicnot

Perfil

Cultura

Primeira-Dama de "House of Cards" exige igualdade de salários

A atriz Robin Wright exigiu recentemente receber o mesmo salário que Kevin Spacey. Os dois são os protagonistas da popular série "House of Cards".

Robin Wright interpreta Claire Underwood na série House of Cards.

Robin Wright interpreta Claire Underwood na série House of Cards.

© Mario Anzuoni / Reuters

Kevin Spacey interpreta o presidente dos EUA na série House of Cards.

Kevin Spacey interpreta o presidente dos EUA na série House of Cards.

© Mike Blake / Reuters

A atriz interpreta Claire Underwood, a mulher do Presidente dos Estados Unidos da América (Kevin Spacey) na série da Netflix. Para além de atriz, Wright é ocasionalmente produtora executiva da série.

Em entrevista numa conferência organizada pelo Huffington Post, a atriz disse: "É o paradigma perfeito. Existem poucos filmes e séries onde a personagem masculina e a feminina tem igualdade de papéis. Mas é o que acontece em House of Cards".

"Eu estava a ver as estatísticas e percebi que a Claire Underwood era mais popular que o Frank". Foi nesta altura que começou a exigir receber o mesmo salário que o ator. "É bom que me paguem o mesmo que ao Kevin, se não vou a público".

Tal como Kevin Spacey, Robin Wright participou em todos os episódios da série.

Segundo os media norte-americanos, Kevin Spacey estaria a ganhar quase 1 milhão de dólares (cerca de 886 mil euros) por episódio, tornando-o no ator mais bem pago da televisão.

Na mesma altura, a revista Forbes avançou que a protagonista de House of Cards recebia 420 mil dólares (cerca de 372 mil euros) por episódio.

Robin Wright faz parte de um grupo crescente de mulheres em Hollywood, que se têm tornado defensoras da igualdade de salários.

No ano passado, Jennifer Lawrence chamou a atenção por falar sobre receber menos que os atores de "American Hustle", e desde então a atriz tem sido uma das defensoras da igualdade de salários entre homens e mulheres.

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.