sicnot

Perfil

Cultura

Feira do Livro de Lisboa abre quinta-feira com número recorde de 277 pavilhões

A 86.ª Feira do Livro de Lisboa, no parque Eduardo VII, abre na próxima quinta-feira, com dez novos participantes, entre os 123 inscritos, e "um número recorde de 277 pavilhões", disse hoje o seu diretor técnico

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Entre as novidades deste ano, Pedro Pereira da Silva, diretor técnico da Feira, uma organização da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), destacou a criação de uma aplicação móvel "Feira do Livro de Lisboa", disponível para Android e iOS. Esta aplicação gratuita permite ao utilizador aceder ao mapa do certame, pesquisar autores, títulos e a sua disponibilidade por editor, saber os autores presentes, apresentações de livros e os "livros do dia".

O presidente da APEL, João Amaral, anunciou "com grande satisfação" o regresso do Brasil, com um pavilhão, seis anos depois da última presença daquele país, no certame.

João Amaral revelou que a Feira irá ser visitada por editores estrangeiros, numa iniciativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

A ideia -- explicou João Amaral -- é que os editores estrangeiros possam comprar em Lisboa os direitos dos livros de autores nacionais "e não serem só os editores portugueses a irem vendê-los às Feiras do Livro de Frankfurt ou Londres".

"É uma experiência que os editores aplaudem", disse, acrescentando que os convites foram feitos através das embaixadas de Portugal, e este ano são aguardados editores e agentes literários ingleses e alemães.

A "Hora H", que permite comprar livros fora dos 18 meses do preço fixo, com o mínimo de 50% de desconto, volta a acontecer na última hora da Feira - entre as 22:00 e as 23:00 -, a partir do próximo dia 30, e tem, este ano, uma adesão de 80% dos participantes, disse Pedro Pereira da Silva.

Lusa

  • DIRETO: Portuguesa entre os 14 mortos dos atentados na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das 13 vítimas mortais do atentado de ontem em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa desaparecida. Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Cambrils. Já foram feitas quatro detenções, as buscas centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35
  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Ágata candidata-se à Câmara de Castanheira de Pera
    3:42