sicnot

Perfil

Cultura

Quadros de Maria Helena Vieira da Silva e José Malhoa vão a leilão

Os quadros a óleo "Fête foraine", de Maria Helena Vieira da Silva, e "Na horta", de José Malhoa, vão à praça a partir de terça-feira num leilão organizado pelo Palácio do Correio Velho, em Lisboa.

De acordo com a leiloeira, um total de 1.071 lotes vão ser apresentados neste leilão, a realizar entre 31 de maio e 03 de junho, com peças desde pintura, escultura, porcelana, numismática, livros raros e mobiliário.

Em destaque, na pintura estarão "Fête foraine" (1959), um óleo sobre tela de Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992), que irá à praça por um valor base de 60.000 euros, e "Na horta" (1924), óleo sobre tela colada sobre madeira, de José Malhoa (1855-1933), por 40.000 euros.

No leilão, vão ainda ser apresentadas obras de arte moderna e contemporânea de Abel Salazar, Alda Machado, Almada Negreiros, Alves Cardoso, Antoni Clavé, Areal, Botelho, Calvet, Cargaleiro, Cesariny, Condeixa, Contente, Cutileiro, Dórdio Gomes, Falcão Trigoso, Higino Mendonça, Hogan, João Vaz, Joaquim Rodrigo, José de Guimarães, Júlio Pomar, Machado De Castro, Manuel Rosé, Menez, Morgado De Setúbal, Nikias Skapinakis, Roque Gameiro e Silva Porto, entre outros.

Também vão a leilão, entre outras obras de artes decorativas, um painel de azulejos D. João V, da primeira metade do século XVIII, por 30.000 euros, e um biombo chinês da primeira metade do século XIX, por 15.000 euros.

As peças são provenientes, entre outras, da Coleção de António e Isabel Melo e da Coleção Família Nobre Guedes, descendentes dos Condes de Marim, de Alte e de Selir, indica o Palácio do Correio Velho.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".