sicnot

Perfil

Cultura

Menos de meia hora de concerto e um adeus apressado dos Korn

Menos de meia hora de concerto e um adeus apressado dos Korn

Problemas técnicos em palco obrigaram os norte-americanos Korn a fazerem menos de meia hora de concerto hoje no festival Rock in Rio Lisboa e com o público a responder com uma monumental assobiadela. Os Hollywood Vampires, a banda de Johnny Depp, Alice Cooper e Joe Perry, também atuaram ontem à noite.


O concerto do grupo estava marcado para as 22:00 e depois de várias tentativas goradas - interpretaram apenas parte de um tema - só recomeçou mais de uma hora depois.

O alinhamento foi encurtado para quatro músicas, entre as quais "Somebody Someone" e "Falling away from me", e quando a banda se preparava para tocar o quinto tema, voltou a ter falhas de som.

O grupo saiu de palco e não voltou. Quando a equipa técnica começou a retirar o material de palco, o público respondeu com um coro de assobios, ampliando quando alguém da organização confirmou que "infelizmente o concerto não iria prosseguir".

Ainda assim, foi garantido que as falhas técnicas não afetarão o concerto dos Hollywood Vampires, que fecha o palco Mundo.

Ao longo do dia, a espera do público pareceu concentrar-se nos Korn.

Cerca das 20:00, à hora a que atuavam os canadianos Metz e os norte-americanos Rival Sons -- em lados opostos do recinto -, havia mais gente a circular do que a ver concertos.

Milhares de pessoas dispersavam-se pelo Parque da Bela Vista entre jantares e em longas filas de espera, em busca de um brinde ou de uma volta na roda gigante.

Sendo sexta-feira dia de trabalho para alguns, ao final do dia o pórtico de entrada no recinto registava uma maior movimentação.

Se se pudesse aferir o tipo de público pela indumentária, muitos marcaram presença no terceiro dia do Rock in Rio para ver Korn, ainda que os Hollywood Vampires sejam os cabeças-de-cartaz e os últimos a entrar em cena.

O Palco Mundo assinalou a estreia em Portugal dos californianos Rival Sons, fundados em 2008, influenciados pela estética dos Led Zeppelin. Prestes a editarem o quinto álbum, "Hollow Bones", em junho, o grupo revisitou a discografia anterior, incluindo apenas um tema inédito, "Tied up".

O rock hardcore, mais descarnado, dos canadianos Metz, com direito a 'moche' junto ao palco, foi antecedido portugueses Cave Story e Glockenwise, quatro amigos de Barcelos que tocam juntos há quase uma década e editaram três discos.

Ainda a promover o mais recente álbum, a banda de Nuno Rodrigues recordou que o garage rock também serve para falar de amor, a propósito do tema "Heat", que dá nome ao terceiro álbum, lançado no outono.

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.