sicnot

Perfil

Cultura

Mourinho vai ser a voz do papa Francisco em filme de animação sobre Fátima

O treinador de futebol do Manchester United, o português José Mourinho, vai ser a voz do papa Francisco num filme de animação sobre as aparições de Fátima, disse hoje à agência Lusa fonte da produtora.

WILL OLIVER

O filme de animação da produtora portuguesa Imaginew, com o título "Fé", está a ser produzido no Porto e tem estreia mundial marcada para dia 13 de maio de 2017.

Inclui um "boneco" do papa Francisco, cuja voz vai ser de José Mourinho, disse fonte da produtora.

Em declarações à Lusa, em maio de 2015, Rui Pedro Oliveira, responsável pela produção, realização, distribuição e promoção do filme "Fé", explicou que a animação terá, em média, 15 personagens, a duração de 70 a 80 minutos, um investimento de oito milhões de euros e uma produção em 3D (hologramas tridimensionais) sem atores reais.

Segundo Rui Pedro Oliveira, o filme é para pessoas dos 10 aos 100 anos, vai ser falado em português, inglês, espanhol, italiano e polaco, e será legendado em "mais de 30 línguas" para chegar aos 1,2 mil milhões de católicos em todo o mundo.

Rui Pedro Oliveira explicou que "Fé" é um filme com tecnologia de ponta, divertido, fiel aos acontecimentos, com elevado rigor histórico e científico, mas "cheio de surpresas e aventuras", que teve a aprovação do Santuário de Fátima e do Vaticano.

"A ideia surgiu por acaso. O ano passado fui ao santuário e reparei que faltava pouco tempo para assinalar os 100 anos do milagre das aparições. Então, pensei em fazer algo fora da caixa", afirmou, assumindo que o objetivo "é engrandecer nacional e internacionalmente o Santuário de Fátima".

Em 2017 comemoram-se os 100 anos dos acontecimentos de Fátima e o papa Francisco já confirmou que quer deslocar-se ao maior templo mariano do país.

Lusa

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.