sicnot

Perfil

Cultura

Museu de Auschwitz vai receber mais de 16 mil objetos dos prisioneiros

O museu de Auschwitz conseguiu obter mais de 16.000 objetos pertencentes a prisioneiros do campo de concentração nazi, encontrados numa escavação arqueológica em 1967 e que estavam guardados desde então nos sótãos de outro museu.

Museu de Auschwitz

Museu de Auschwitz

© Mike Segar / Reuters

Os responsáveis do museu Auschwitz-Birkenau divulgaram um comunicado em que consideram que os objetos "não são apenas um notável testemunho da história do campo e do extermínio levado a cabo pelos alemães, mas também um testemunho pessoal da existência das vítimas".

A maior parte dos objetos são os últimos que as vítimas usaram antes de serem levadas para a câmara de gás. Encontram-se entre eles fragmentos de sapatos, jóias, relógios, talheres, escovas, isqueiros, utensílios de cozinha, botões, navalhas ou chaves.

Os objetos estavam guardados em 48 caixas nos sótãos do museu da Ciência.

Segundo a responsável pelas coleções do museu, Elzbieta Cajzersó, o museu tinha 400 objetos antes de decidir integrar os objetos encontrados mais de 20 anos depois do fim da II Guerra Mundial.

"Este número parecia-nos muito reduzido, estávamos convencidos que devia haver muito mais e começámos uma procura que levou vários meses até dar com mais de 16.000 objetos", disse Elzbieta Cajzer, indicando um documentário realizado em 1967, que serviu de base para a busca, sobre os trabalhos arqueológicos em redor das ruínas da câmara de gás e do crematório III.

O diretor do museu de Auschwitz, Piotr Cywinski, lembrou que o processo não foi fácil devido a todas as mudanças ocorridas na Polónia, onde o campo de Auschwitz se encontra, desde a queda do comunismo. O realizador do documentário já morreu e as instituições que o financiaram também se alteraram, o que constituíram outras dificuldades no caminho, segundo Piotr Cywinski.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.