sicnot

Perfil

Cultura

Disney vai inaugurar o seu primeiro parque de diversões em Xangai

O império Disney entra esta semana no Império do Meio, inaugurando em Xangai o seu primeiro parque de diversões da China continental. A aposta é a emergente classe média, apesar da crise económica.

© Aly Song / Reuters

O complexo, um investimento de 5,5 mil milhões de dólares (cerca de 4,9 mil milhões de euros), alberga o maior castelo Disney do mundo, com as suas torres azuis a dominarem um espaço antes ocupado por empresas e fábricas da periferia da capital económica do país.

A Disney vai tentar seduzir milhões de pessoas com um passeio no barco "Piratas das Caraíbas", um espetáculo em torno do filme "A Rainha da Neve" e uma atração "Star Wars", com personagens da saga de culto de ficção científica.

O projeto nasceu em abril de 2011, assegurou o patrão da Disney, Bob Iger, durante uma conferência de imprensa, garantindo que este seria "um marco significativo" na história do grupo.

Porém, a inauguração acontece num contexto moroso, com a China a viver o mais fraco crescimento económico em 25 anos, após décadas de progressão a dois dígitos devido aos investimentos do governo.

Os indicadores, no entanto, não desencorajam a Disney, que conta que a classe média chinesa se precipite para as atrações, hotéis, restaurantes e lojas de recordações com a imagem do Mickey.

A ambição é apoiada pelo Governo chinês, ansioso por relançar o consumo interno.

A Disney não é o único gigante da diversão desejosa de aproveitar a disposição dos novos consumidores. Os parques de diversão têm crescido rapidamente na China, com mais de 300 projetos financiados nos últimos anos, segundo o National Business Daily.

Só em 2015, abriram 20 recintos e outros 20 estavam em construção, de acordo com o jornal.

A Universal Pictures, em Pequim e a DreamWorks, em Xangai têm igualmente projetos de parques na China.


Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59