sicnot

Perfil

Cultura

Disney vai inaugurar o seu primeiro parque de diversões em Xangai

O império Disney entra esta semana no Império do Meio, inaugurando em Xangai o seu primeiro parque de diversões da China continental. A aposta é a emergente classe média, apesar da crise económica.

© Aly Song / Reuters

O complexo, um investimento de 5,5 mil milhões de dólares (cerca de 4,9 mil milhões de euros), alberga o maior castelo Disney do mundo, com as suas torres azuis a dominarem um espaço antes ocupado por empresas e fábricas da periferia da capital económica do país.

A Disney vai tentar seduzir milhões de pessoas com um passeio no barco "Piratas das Caraíbas", um espetáculo em torno do filme "A Rainha da Neve" e uma atração "Star Wars", com personagens da saga de culto de ficção científica.

O projeto nasceu em abril de 2011, assegurou o patrão da Disney, Bob Iger, durante uma conferência de imprensa, garantindo que este seria "um marco significativo" na história do grupo.

Porém, a inauguração acontece num contexto moroso, com a China a viver o mais fraco crescimento económico em 25 anos, após décadas de progressão a dois dígitos devido aos investimentos do governo.

Os indicadores, no entanto, não desencorajam a Disney, que conta que a classe média chinesa se precipite para as atrações, hotéis, restaurantes e lojas de recordações com a imagem do Mickey.

A ambição é apoiada pelo Governo chinês, ansioso por relançar o consumo interno.

A Disney não é o único gigante da diversão desejosa de aproveitar a disposição dos novos consumidores. Os parques de diversão têm crescido rapidamente na China, com mais de 300 projetos financiados nos últimos anos, segundo o National Business Daily.

Só em 2015, abriram 20 recintos e outros 20 estavam em construção, de acordo com o jornal.

A Universal Pictures, em Pequim e a DreamWorks, em Xangai têm igualmente projetos de parques na China.


Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05