sicnot

Perfil

Cultura

Disney vai inaugurar o seu primeiro parque de diversões em Xangai

O império Disney entra esta semana no Império do Meio, inaugurando em Xangai o seu primeiro parque de diversões da China continental. A aposta é a emergente classe média, apesar da crise económica.

© Aly Song / Reuters

O complexo, um investimento de 5,5 mil milhões de dólares (cerca de 4,9 mil milhões de euros), alberga o maior castelo Disney do mundo, com as suas torres azuis a dominarem um espaço antes ocupado por empresas e fábricas da periferia da capital económica do país.

A Disney vai tentar seduzir milhões de pessoas com um passeio no barco "Piratas das Caraíbas", um espetáculo em torno do filme "A Rainha da Neve" e uma atração "Star Wars", com personagens da saga de culto de ficção científica.

O projeto nasceu em abril de 2011, assegurou o patrão da Disney, Bob Iger, durante uma conferência de imprensa, garantindo que este seria "um marco significativo" na história do grupo.

Porém, a inauguração acontece num contexto moroso, com a China a viver o mais fraco crescimento económico em 25 anos, após décadas de progressão a dois dígitos devido aos investimentos do governo.

Os indicadores, no entanto, não desencorajam a Disney, que conta que a classe média chinesa se precipite para as atrações, hotéis, restaurantes e lojas de recordações com a imagem do Mickey.

A ambição é apoiada pelo Governo chinês, ansioso por relançar o consumo interno.

A Disney não é o único gigante da diversão desejosa de aproveitar a disposição dos novos consumidores. Os parques de diversão têm crescido rapidamente na China, com mais de 300 projetos financiados nos últimos anos, segundo o National Business Daily.

Só em 2015, abriram 20 recintos e outros 20 estavam em construção, de acordo com o jornal.

A Universal Pictures, em Pequim e a DreamWorks, em Xangai têm igualmente projetos de parques na China.


Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.