sicnot

Perfil

Cultura

Ilustrações portuguesas premiadas nos EUA

Carolina Celas, Teresa Cortez e André Letria estão entre os ilustradores portugueses premiados pela revista norte-americana 3x3, uma das mais importantes dedicada à ilustração contemporânea.

André Letria voltou a ser distinguido pela 3x3, desta vez com a capa do álbum ilustrado "Teatro", assinado com Ricardo Henriques.

André Letria voltou a ser distinguido pela 3x3, desta vez com a capa do álbum ilustrado "Teatro", assinado com Ricardo Henriques.

andreletria.pt

Aquela publicação distingue anualmente o melhor da ilustração, de todo o mundo, em diferentes categorias, de entre as propostas apresentadas a concurso. Todos os anos há autores portugueses reconhecidos, mas nem sempre com os prémios principais.

Este ano - e de acordo com a informação na página oficial na Internet - a 3x3 atribuiu a medalha de ouro da categoria "Estudante" a Carolina Celas, enquanto na categoria "Álbum Ilustrado" a medalha de prata foi para André Letria e a de bronze para Teresa Cortez. Mais de uma dezena de outros autores recebeu uma distinção de mérito.

Carolina Celas venceu com a série "Private Landscapes", feita no âmbito dos estudos na Royal College of Art, em Londres, onde vive. A autora já tinha mostrado a mesma série este ano na Feira do Livro Infantil de Bolonha.

André Letria volta a ser distinguido pela 3x3, desta vez com a capa do álbum ilustrado "Teatro", assinado com Ricardo Henriques.

Teresa Cortez recebe a medalha de bronze com o livro ilustrado "Balbúrdia", uma narrativa visual para a infância, e publicada este ano.

Nas categorias de ilustração "Profissional" e "Álbum Ilustrado", há vários nomes portugueses reconhecidos com distinção de mérito, alguns já premiados em edições anteriores, como André Carrilho, João Vaz de Carvalho, João Fazenda e novamente André Letria.

A eles juntam-se Cristiano Salgado, Catarina Sobral, Joana Rosa Bragança, Mariana Rio, Sandra de Matos, Marta Madureira e Fatinha Ramos.

Os premiados verão os seus trabalhos reunidos num anuário da 3x3, a publicar no final deste ano.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.