sicnot

Perfil

Cultura

Caderno com desenhos inéditos de Van Gogh é publicado em novembro

Um caderno com desenhos inéditos de Vincent van Gogh (1853-1890) foi descoberto e será publicado em novembro, em vários países, anunciou esta quinta-feira a editora francesa Le Seuil.

Mark Schiefelbein

O livro intitular-se-á "Vincent Van Gogh. Le brouillard d'Arles, carnet retrouvé" ("Vincent Van Gogh. O nevoeiro de Arles, caderno reencontrado", em tradução literal), e segundo a editora Le Seuil, "é surpreendente e fulgurante".

A editora não deu outros pormenores, nomeadamente quando foi encontrado, nem onde nem quantos desenhos inéditos contém, tendo adiantado apenas que são mais de uma dezena.

"A publicação do livro será um ato de divulgação do caderno encontrado", disse o editor Bernard Comment, precisando que tinha conhecimento da existência do caderno "há já um ano".

O editor afirmou ao semanário Livres Hebdo que a autenticidade dos desenhos está garantida por uma série de pareceres de especialistas na obra do pintor neerlandes, e de História da Arte.

Segundo a editora, o livro será objecto de uma "coedição mundial", através de filiais do grupo La Martinière, a que pertence a Le Seuil, e a acordos com editores associados de países como Holanda e Japão.

A obra será posta à venda um dia depois da sua apresentação à imprensa, em novembro, e, até essa data, ainda a anunciar, não será dada mais informação, segundo o comunicado da Le Seuil, divulgado esta quinta-feira.

A edição digital do Livres Hebdo adianta que o caderno de Van Gogh é propriedade de um particular.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.