sicnot

Perfil

Cultura

Caderno com desenhos inéditos de Van Gogh é publicado em novembro

Um caderno com desenhos inéditos de Vincent van Gogh (1853-1890) foi descoberto e será publicado em novembro, em vários países, anunciou esta quinta-feira a editora francesa Le Seuil.

Mark Schiefelbein

O livro intitular-se-á "Vincent Van Gogh. Le brouillard d'Arles, carnet retrouvé" ("Vincent Van Gogh. O nevoeiro de Arles, caderno reencontrado", em tradução literal), e segundo a editora Le Seuil, "é surpreendente e fulgurante".

A editora não deu outros pormenores, nomeadamente quando foi encontrado, nem onde nem quantos desenhos inéditos contém, tendo adiantado apenas que são mais de uma dezena.

"A publicação do livro será um ato de divulgação do caderno encontrado", disse o editor Bernard Comment, precisando que tinha conhecimento da existência do caderno "há já um ano".

O editor afirmou ao semanário Livres Hebdo que a autenticidade dos desenhos está garantida por uma série de pareceres de especialistas na obra do pintor neerlandes, e de História da Arte.

Segundo a editora, o livro será objecto de uma "coedição mundial", através de filiais do grupo La Martinière, a que pertence a Le Seuil, e a acordos com editores associados de países como Holanda e Japão.

A obra será posta à venda um dia depois da sua apresentação à imprensa, em novembro, e, até essa data, ainda a anunciar, não será dada mais informação, segundo o comunicado da Le Seuil, divulgado esta quinta-feira.

A edição digital do Livres Hebdo adianta que o caderno de Van Gogh é propriedade de um particular.

Lusa

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.