sicnot

Perfil

Cultura

Teresa Veiga vence Grande Prémio de Conto-Camilo Castelo Branco

A escritora Teresa Veiga venceu por unanimidade o Grande Prémio de Conto-Camilo Castelo Branco, com o livro "Gente melancolicamente louca", anunciou hoje a Associação Portuguesa de Escritores (APE), que instituiu o galardão.

"Um júri constituído por Daniel Jonas, Isabel Cristina Mateus e Maria Carlos Loureiro, reunido na sede da APE em Lisboa, decidiu, por unanimidade, atribuir o prémio ao livro Gente melancolicamente louca, de Teresa Veiga, editado pela Tinta-da-China", afirma a APE, em comunicado.

"Pela elegância despojada da sua escrita, Teresa Veiga revela um notável domínio do tempo, espaço e ritmo narrativos, incorporando várias leituras e sintetizando-as fulgurantemente na sua voz. É com mestria que a autora trata o género, de forma a envolver o leitor nas diferentes atmosferas narrativas que constrói", justifica o júri citado pela APE.

Esta é a teceira vez que Teresa Veiga, 71 anos, vence este galardão. Em 1992 recebeu o prémio pela obra "História da Bela Fria", que lhe valeu também o Prémio P.E.N. Ficção desse ano, e, em 2008, voltou a receber o Grande Prémio de Conto - Camilo Castelo Branco pela coletânea "Uma aventura secreta do marquês de Bradomín".

Teresa Veiga é o pseudónimo literário de uma lisboeta, "nascida a 24 de março", "de quem pouco se sabe, porque não dá entrevistas nem revela a sua verdadeira identidade", lê-se no sítio na internet da Casa de Camilo, espaço cultural em S. Miguel de Seide, em Vila Nova de Famalicão.

Segundo esta instituição, Teresa Veiga licenciou-se em Direito, na Universidade de Lisboa, em 1968, especializou-se e exerceu, entre 1975 e 1983, o cargo de conservadora do registo civil nos arredores da capital, decidiu estudar Filologia Românica, curso que concluiu em 1981, tendo sido professora de Português e Francês no Ensino Secundário, durante vários anos.

Entre as obras que publicou contam-se "Jacobo e outras histórias" (contos, 1980), "O último amante" (novelas, 1990), "A paz doméstica" (romance, 1999) e "As enganadas" (contos, 2003).

O Grande Prémio de Conto-Camilo Castelo Branco, no valor pecuniário de 7.500 euros, foi instituído em 1991, pela APE, com o patrocínio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, e "destina-se a distinguir uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro em 1.ª edição, no decurso do ano transato".

Outros autores distinguidos com o Grande Prémio de Conto-Camilo Castelo Branco foram Mário de Carvalho, Maria Isabel Barreno, Maria Velho da Costa, Maria Judite de Carvalho, Miguel Miranda, Luísa Costa Gomes, José Jorge Letria, José Eduardo Agualusa, José Viale Moutinho, António Mega Ferreira, Teolinda Gersão, Urbano Tavares Rodrigues, Manuel Jorge Marmelo, Paulo Kellerman, Gonçalo M. Tavares e Ondjaki.

"A data do ato formal de entrega será oportunamente anunciada", esclareceu a APE.

Lusa

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06