sicnot

Perfil

Cultura

Exposição no Porto alerta para poluição marítima causada por lixo plástico

Vários locais emblemáticos da cidade do Porto acolhem, até ao último dia de julho, três estátuas criadas por alunos da Escola Superior Artística com o objetivo de alertar para a poluição marítima causada pelo lixo plástico.

© Carlos Jasso / Reuters

"Um Oceano em Plástico" levou à instalação de estátuas feitas com plásticos descartáveis na avenida dos Aliados, na estação ferroviária de São Bento e no largo de São Domingos, explica um comunicado do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), organizador do evento.

As esculturas, concebidas no âmbito da campanha Ocean Action, retratam "diferentes consequências dos detritos plásticos sobre a vida marinha e a saúde humana", lê-se no documento.

"Estudos recentes mostram que mais de oito milhões de toneladas de plástico vão parar todos os anos ao oceano, levados pelo vento, pela chuva, pelos esgotos, pelos rios ou diretamente depositados nas praias ou no mar", acrescenta.

A maior parte desse plástico vai para os fundos marinhos, ficando o restante a flutuar em áreas de acumulação de lixo, no centro dos oceanos, sendo depois trazidos novamente para as praias, o que causa graves danos nas populações de animais marinhos.

Para além disso, este material apresenta uma alta durabilidade, separando-se "apenas em partículas cada vez menores", devido à ação do sol, que absorvem contaminantes da água e podem ser ingeridos pelo zooplâncton e pequenos peixes. Este processo leva a uma "corrente de acumulação de contaminantes ao longo da cadeia alimentar, que pode acabar no nosso prato", lê-se ainda.

Para José Teixeira, coordenador da campanha, "esta iniciativa recorre ao uso da arte para cativar a atenção da sociedade para questões científicas e ambientais complexas de grande relevância".

Em iniciativas paralelas à exposição, financiada pelo programa EEA Grants, vão realizar-se atividades científicas e de sensibilização em escolas, ações de limpeza de praias, um concurso escolar, uma exposição itinerante e a produção de vídeos educativos.

Com Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.