sicnot

Perfil

Cultura

Radiohead foram os cabeça de cartaz do segundo dia do Nos Alive

Radiohead foram os cabeça de cartaz do segundo dia do Nos Alive

Os Radiohead estiveram na sexta-feira no festival NOS Alive, em Algés, por conta de um novo álbum, "A moon shaped pool", mas foram as canções dos primeiros tempos, em modo nostalgia, que causaram comoção no público.

Foi já no segundo 'encore' que muitos dos 55 mil espectadores fizeram um sorriso incrédulo ao ouvirem os primeiros acordes de "Creep", música do álbum de estreia dos Radiohead, de 1993, e que estava há muito tempo arreada das anteriores digressões do grupo.

Havia gente emocionada e dezenas com telemóveis erguidos não só a registar esse momento, mas também aqueles em que os Radiohead interpretaram "Karma Police", "Paranoid Android" e "Street Spirit (Fade out)", todos de álbuns editados antes do fim do milénio.

Para a nova digressão, a banda já tinha admitido que ensaiou mais de meia centena de canções, de modo a poder escolher alinhamentos distintos.

Abriram o concerto com temas novos, entre os quais "Burn the witch" e "Daydreaming", e percorreram praticamente toda a discografia, com destaque para a prestação do guitarrista Jonny Greenwood.

Contrastaram o rock mais distorcido dos primeiros tempos com a sonoridade mais experimental dos registos mais recente e tiveram tempo ainda de por à prova o mais fanático dos espectadores, tocando, por exemplo, "Talk show host", um lado-B dos anos 1990.

Horas antes, no palco dos Radiohead os australianos Tame Impala mostraram o álbum "Currents" e que ditou uma toada psicadélica, mas mais dançante, do repertório anterior. A atuação teve direito a confettis e raparigas a despirem camisolas e soutiens na plateia, para espanto do vocalista, Kevin Parker.

Num dia em que o hip hop português também reinou, a tenda Heineken assistiu, entre outros concertos, à estreia lisboeta do músico norte-americano J. Tillman, a destilar sexualidade no papel de Father John Misty e a interpretar canções como "I Love You, Honeybear" e "Bored in the USA". Apesar de ter dito que não tinha muito jeito para gerir multidões em festivais, foi recebido com histeria e devoção.

O segundo dia do festival Alive, cujo bilhetes esgotaram ainda na primavera muito por conta dos Radiohead, só termina pelas 04:00, já madrugada de sábado, depois ainda das atuações de Rocky Marsiano, Hot Chip e do DJ A boy Named Sue.

Com Lusa

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC