sicnot

Perfil

Cultura

Visitantes de monumentos, museus e palácios nacionais ultrapassaram dois milhões

Os visitantes de monumentos, palácios e museus sob a tutela da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), aumentaram 19,2% no primeiro semestre deste ano, em comparação com 2015, ultrapassando os dois milhões, revelou hoje fonte da entidade.

Lusa

Contactado pela agência Lusa sobre o balanço de visitantes destes equipamentos afetos à DGPC nos primeiros seis meses de 2016, o gabinete de comunicação indicou que os monumentos, palácios e museus tiveram um total de 2.210.696 entradas, enquanto em 2015 ascenderam a 1.853.889.

O aumento total de visitantes em percentagem foi de 19,2 - mais 356.807 visitantes este ano do que no mesmo período do ano passado - e, em particular, os museus, com uma subida de 26,5 por cento, enquanto nos monumentos foi de 16,2 por cento.

Ainda segundo os dados estatísticos da DGPC fornecidos à Lusa, nos monumentos, registaram-se 1.266.942 visitantes no primeiro semestre deste ano (1.089.873 no ano passado), e nos museus 734.377 (580.635 no mesmo período de 2015).

Os equipamentos culturais mais visitados são, habitualmente, o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, a vizinha Torre de Belém, o Museu Nacional dos Coches, e o Museu Nacional de Arte Antiga, também na capital.

Fora de Lisboa, predomina a preferência pelo Mosteiro da Batalha, na região centro, e o Palácio Nacional de Mafra, nos arredores de Lisboa.

Ainda segundo os dados da DGPC, no primeiro semestre deste ano - dos visitantes que declaram a nacionalidade - 1.332.535 eram estrangeiros e 736.331 portugueses.

Os primeiros resultados globais do Estudo de Públicos de Museus Nacionais (EPMN) realizado pela tutela da cultura, e divulgados em maio deste ano, revelaram que os visitantes dos 14 museus nacionais são na maioria jovens, de escolaridade e profissão qualificadas, com predominância feminina e de estrangeiros.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59