sicnot

Perfil

Cultura

Músicas do Mundo de volta a Porto Covo e Sines com 47 concertos

O Festival Músicas do Mundo (FMM) está de regresso a Porto Covo e Sines, a partir de hoje, com 47 concertos, numa edição que assinala a entrada do acontecimento na idade adulta.

Durante nove dias, sem interrupções, vão passar pelos centros históricos e pelas praias das duas localidades da costa alentejana músicos dos quatro cantos do mundo, cerca de 20 pela primeira vez em Portugal.

Como acontece desde 2014, a 18.ª edição do FMM vai começar em Porto Covo, com três dias de espetáculos (sexta, sábado e domingo), seguindo depois para Sines, onde ficará os restantes seis dias, até 30 de julho, entre o centro de artes, a rua, o castelo e o passeio marítimo da cidade.

Vencedor de três prémios Iberian Festival Awards em 2015 (melhor alinhamento artístico ibérico, melhor grande festival e melhor programa cultural em Portugal), o FMM propõe um programa musical que pisa diferentes continentes e cruza vários estilos, do folk metal ao afro-house.

A representar Portugal estão projetos alicerçados na tradição -- Segue-me à Capela, Criatura, Retimbrar e Sebastião Antunes & Quadrilha --, propostas contemporâneas -- Jibóia, A Jigsaw & The Great Moonshiners Band, OliveTreeDance e Hearts and Bones -- e ainda músicos a solo -- Norberto Lobo e Filho da Mãe.

Do restante mundo lusófono, chegam bandas de Angola (o semba de Paulo Flores, a música de dança de DJ Satelite e o projeto luso-angolano Batida), Brasil (os repetentes Graveola, a música urbana de Bnegão&Seletores de Frequência e o multicultural Bixiga 70), Cabo Verde (o funaná de Bitori e o encontro luso-cabo-verdiano entre o saxofonista Carlos Martins e a cantora Jenifer Solidade) e Guiné-Bissau (o jazz-soul de Karyna Gomes).

Mas o programa do FMM não se limita a concertos, incluindo também iniciativas paralelas, que vão da animação de rua a ateliês sobre música e instrumentos, passando por exposições, sessões de contos e encontros com escritores.

A abertura da edição deste ano do FMM, hoje, às 19:00, no Largo Marquês de Pombal, em Porto Covo, cabe ao grupo português Segue-me à Capela, à argentina Juana Molina (22:00) e aos brasileiros Graveola (23:30).


Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.