sicnot

Perfil

Cultura

Festival Mexefest volta em novembro a Lisboa e com Charles Bradley no cartaz

© Gary Hershorn / Reuters

O cantor soul norte-americano Charles Bradley vai atuar no festival Vodafone Mexefest, marcado para 25 e 26 de novembro, em vários espaços entre a avenida da Liberdade e a Baixa, em Lisboa, anunciou hoje a organização.

Charles Bradley, que editou o primeiro álbum apenas aos 63 anos, quando em 2011 saiu "No time for dreaming", já atuou algumas vezes em Portugal - a última das quais em 2015, em Paredes de Coura -, mas em Lisboa será uma estreia, com a formação His Extraordinaires.

O cantor tem um percurso de vida marcado pela pobreza e precariedade e a entrada oficial na música dá-se depois de ter sido descoberto pela editora Daptone Records, quando fazia uma atuações como "Black Velvet", imitando James Brown, uma das suas referências musicais.

As prestações ao vivo e o repertório soul funk convocam ainda outras figuras como Otis Redding e Al Green.

Depois da estreia discográfica, em 2011, Bradley editou "Victim of love"(2013) e "Changes", na passada primavera.

Além de Charles Bradley, o festival Mexefest anunciou ainda a presença, este ano, em Lisboa, da cantora brasileira Mallu Magalhães e do norte-americano Baio, ou seja Chris Baio, baixista dos Vampire Weeekend, que editou, em 2015, o álbum a solo "The Names".

O festival Mexefest aconteceu pela primeira vez em 2008, mas, na altura, tinha outro nome, com um conceito de apresentação de vários concertos a decorrerem em simultâneo, na zona da avenida da Liberdade, em Lisboa.

No ano passado, os concertos aconteceram, por exemplo, no cinema São Jorge, Sociedade Portuguesa de Geografia, Coliseu dos Recreios, Igreja de São Luís dos Franceses e Casa do Alentejo e na antiga piscina do Atneu Comercial de Lisboa.


Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.