sicnot

Perfil

Cultura

Pink Floyd vão lançar musicas inéditas do início da carreira

​A banda britânica Pink Floyd vai lançar várias músicas inéditas como parte de uma caixa (box) que irá explorar o início do lendário grupo de rock, anunciou a sua editora discográfica, a Sony Legacy Records.

"The Early Years - 1965-1972", uma caixa que será colocada à venda a 11 de novembro, incluirá pelo menos 27 CD que incluem músicas que não foram utilizadas, além de espetáculos dos Pink Floyd, informou a editora na quinta-feira.

Das canções que estão na 'box', cerca de 20 nunca haviam sido divulgadas.

Entretanto, algumas outras não são desconhecidas para os fãs, já que o grupo tocava às vezes trechos originais pouco conhecidos durante seus espetáculos.

Entre os títulos inéditos está "Vegetable Man", escrita em 1967 pelo membro fundador Syd Barrett, que deixou o grupo pouco depois devido a uma doença mental.

A canção nunca foi lançada oficialmente, ainda que pudesse ser encontrada em registos não oficiais.

Segundo o agente dos Pink Floyd, Peter Jenner, o baixista do grupo, Roger Waters, não queria lançar esta canção, já que a considerava muito sombria e incompleta. Waters também abandonou o grupo em 1985, jurando que não queria ter nada a ver com os Pink Floyd.

A banda liderada por David Gilmour lançou em 2014 o que seria o seu último álbum, "The Endless River".

A caixa, que também irá conter sete livros, dos quais seis serão vendidos separadamente em 2017, não cobre o período de maior sucesso do Pink Floyd.

O álbum "The Dark Side of the Moon", lançado em 1973 e em parte inspirado nos problemas mentais de Syd Barrett, continua a ser um dos mais vendidos de todos os tempos com 45 milhões de cópias.

O álbum "The Wall", lançado em 1979, também aparece em listas que indicam os melhores trabalhos musicais de todos os tempos.

Lusa

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.