sicnot

Perfil

Cultura

Pink Floyd vão lançar musicas inéditas do início da carreira

​A banda britânica Pink Floyd vai lançar várias músicas inéditas como parte de uma caixa (box) que irá explorar o início do lendário grupo de rock, anunciou a sua editora discográfica, a Sony Legacy Records.

"The Early Years - 1965-1972", uma caixa que será colocada à venda a 11 de novembro, incluirá pelo menos 27 CD que incluem músicas que não foram utilizadas, além de espetáculos dos Pink Floyd, informou a editora na quinta-feira.

Das canções que estão na 'box', cerca de 20 nunca haviam sido divulgadas.

Entretanto, algumas outras não são desconhecidas para os fãs, já que o grupo tocava às vezes trechos originais pouco conhecidos durante seus espetáculos.

Entre os títulos inéditos está "Vegetable Man", escrita em 1967 pelo membro fundador Syd Barrett, que deixou o grupo pouco depois devido a uma doença mental.

A canção nunca foi lançada oficialmente, ainda que pudesse ser encontrada em registos não oficiais.

Segundo o agente dos Pink Floyd, Peter Jenner, o baixista do grupo, Roger Waters, não queria lançar esta canção, já que a considerava muito sombria e incompleta. Waters também abandonou o grupo em 1985, jurando que não queria ter nada a ver com os Pink Floyd.

A banda liderada por David Gilmour lançou em 2014 o que seria o seu último álbum, "The Endless River".

A caixa, que também irá conter sete livros, dos quais seis serão vendidos separadamente em 2017, não cobre o período de maior sucesso do Pink Floyd.

O álbum "The Dark Side of the Moon", lançado em 1973 e em parte inspirado nos problemas mentais de Syd Barrett, continua a ser um dos mais vendidos de todos os tempos com 45 milhões de cópias.

O álbum "The Wall", lançado em 1979, também aparece em listas que indicam os melhores trabalhos musicais de todos os tempos.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.