sicnot

Perfil

Cultura

UHF cancelam participação na Festa do Avante

A banda UHF, liderada por António Manuel Ribeiro, cancelou a atuação prevista na Festa do Avante, que se realiza em setembro na quinta da Atalaia, no Seixal, pela "utilização distorcida do nome do grupo na divulgação do evento".

António Manuel Ribeiro, em declarações à Lusa, justificou o cancelamento por não estar a ser dado, nos cartazes de divulgação da 40.ª edição da Festa, o destaque à banda que é dado a outros nomes, ou até por estar ausente dos cartazes e nos "mupis" (paineis urbanos verticais), o que foi feito sem o conhecimento da banda.

"Quando procurámos a reparação da situação, não foi possível, por razões que me transcendem e portanto vimo-nos obrigados a cancelar, porque nós temos normas contratuais que não foram respeitadas", disse o músico à Lusa, que reconheceu que apesar de ter participado na conferência de imprensa de apresentação da Festa, não foi assinado ainda um contrato com a entidade organizadora.

António Manuel Ribeiro afirmou que participou na conferência de imprensa da Festa, realizada no passado 23 de junho, em Lisboa, na qual "o musicólogo Ruben de Carvalho destacou a participação da banda, que ia abrir, no dia 3 de setembro o palco 25 de Abril, pelas 15:00, numa maratona dos vários artistas que fazem a festa há 40 anos".

"Depois desse destaque que foi feito, olhámos para o nosso nome ou não o víamos ou tinha sido encolhido", afirmou o artista.

"A forma como nós estávamos na divulgação era uma forma menor, pois há cartazes inclusive em que nem aparece o nosso nome", sublinhou.

"Começámos em 1981, há 35 anos, no Casalinho da Ajuda, e os números oficiais dessa noite apontavam para 120.000 pessoas a cantar 'Cavalos de corrida' e "Rua do Carmo", entre outras", recorda a banda em comunicado.

A 40.ª Festa do Avante realiza-se de 2 a 4 de setembro, este ano, num espaço alargado, ao incluir, além da quinta da Atalaia, a quinta do Cabo, adquirida por subscrição interna do Partido Comunista Português (PCP), que organiza o certame, como explicou na ocasião Alexandre Araújo, do secretariado do Comité Central.

Para António Manuel Ribeiro a forma como foi tratada a divulgação "traz à banda danos patrimoniais", porque "há uma dimensão dada a alguns nomes e outra a outros nomes, sem sabermos qual é o critério".

"Se soubéssemos que era esse o critério teríamos dito que não, nós fomos confrontados com o facto consumado", acrescentou António Manuel Ribeiro.

O cartaz da 40.ª Festa do Avante inclui, entre outros, a Companhia de Teatro de Almada, o grupo de teatral A Barraca, All'Opera -- Companhia de Ópera Itinerante, Orquestra Sinfonietta de Lisboa, Coro Sinfónico Lisboa Cantat, os fadistas Ana Moura, Aldina Duarte, Bezegol & Rude Bwoy Banda, Carlão com Sam the Kid e Sara Tavares, Cristina Branco, Duarte, Danças Ocultas, Diabo na Cruz, Ferro Gaita, Jafumega, Katia Guerreiro, Miss Lava, Nuno Costa Quinteto, Onda de Sons Lusófonos, Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal, Peste & Sida, Quinteto Lisboa, Ricardo Toscano Quarteto, Sérgio Godinho & Jorge Palma, Treacherous Orchestra, e os Xutos & Pontapés, além de cinema, exposições, artesanato, um espaço infantil, e vários espaços de intervenção política.

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa abre a Festa e encerra com uma intervenção política, apontada como o "rentrée" política dos comunistas.

A 1.ª edição da Festa do Avante ocorreu em 1976 na então Feira Internacional de Lisboa, à Junqueira.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.