sicnot

Perfil

Cultura

Governo lança programa cultural para promover Algarve durante época baixa

O Governo apresentou esta segunda-feira em Lagos, Faro, o programa Algarve Cultural, com um orçamento de 1,5 milhões de euros, que conta com mais de 600 espetáculos para dinamizar a região durante a época baixa.

Entre outubro deste ano e maio de 2017, os 16 concelhos do Algarve vão poder contar com 626 espetáculos, entre teatro, música, literatura ou gastronomia, num programa com um investimento de 1,5 milhões de euros por parte da Turismo de Portugal, com mais de 90% do orçamento destinado à programação.

Um festival em torno do contrabando em Alcoutim, uma festa de anos do "tavirense" Álvaro de Campos, jazz nas adegas de vinho de Silves, o regresso do Festival Internacional de Música do Algarve ou uma iniciativa que alia arte contemporânea com gastronomia de autor são algumas das 48 propostas aceites para a 1.ª edição do programa.

"Interessa-nos o desencadear de ações, de projetos e programas que depois se possam multiplicar", sublinhou o ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, que falava aos jornalistas à margem da apresentação do programa, que decorreu segunda-feira ao final da tarde, no centro de Ciência Vivia de Lagos.

Apesar de esta iniciativa ter um orçamento mais reduzido do que aquele que foi destinado ao programa Allgarve (chegou a ter 5 milhões de euros), o ministro enfatizou que o programa se mede "pela participação e pela construção de um tecido, de uma atividade comum entre autarquias, criadores locais e o Estado" e não pelo dinheiro com que arranca.

De acordo com a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, o programa surgiu como uma resposta "à necessidade de o Algarve ter vida nos meses de outubro a maio" - algo que era apontado como uma falha pelos operadores internacionais.

O desafio foi lançado em junho aos agentes culturais locais e às 16 autarquias da região, sendo que, no espaço de dois meses, foram selecionadas 48 propostas.

Para Ana Mendes Godinho, a iniciativa pretende transformar-se num "motivo complementar para que as pessoas optem" pela região na época baixa, considerando ser necessário mostrar um outro Algarve que não o mar e o sol: "há muito mais para fazer".

O programa divide-se em diferentes áreas de atuação, nomeadamente literatura, memória, património material e imaterial, música, teatro, gastronomia e paisagem.

Em Alcoutim, vai-se realizar o Festival do Contrabando (março de 2017), em São Brás de Alportel há uma "viagem" até ao início do século XX (maio de 2017), em Tavira haverá em outubro a Festa de Anos de Álvaro de Campos (heterónimo de Fernando de Pessoa, que "nasceu" em Tavira) e em Silves vai-se aliar o jazz às provas de vinho.

No programa, está também previsto o regresso do Festival Internacional de Música do Algarve (FIMA), entre março e maio, que vai decorrer em sete concelhos do distrito de Faro.

Entre outras propostas, a iniciativa conta ainda com vários concertos, mostra de cinema e um festival de teatro.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.

  • Presidente do Brasil formalmente acusado de corrupção

    Mundo

    O Procurador-Geral da República do Brasil apresentou na noite de segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal uma denúncia contra o Presidente Michel Temer e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pelo crime de corrupção passiva.

  • Reconquista de Mossul ao Daesh pode estar para breve
    1:27
  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.