sicnot

Perfil

Cultura

Para o ano há mais

Para o ano há mais

Steve Angello e Jimmy P fecharam a 20.º edição do Festival MEO Sudoeste. Muitos dos campistas que estiveram na Herdade da Casa Branca despediram-se com tristeza de 9 dias na tenda e 4 de música.

"Muito calor", "fogo de artifício" e "recordes de público" na Herdade da Casa Branca, em Odemira, marcaram a 20.ª edição do festival Meo Sudoeste que tem regresso marcado para o próximo ano, entre 02 e 06 de agosto.

"Correu muito bem o fogo-de-artifício, foi um momento de arrepiar feito com muito carinho", destacou o promotor do festival, Luís Montez, a propósito da forma escolhida para assinalar a 20.ª edição do certame que leva milhares de pessoas a rumar até à costa alentejana desde 1997.

Com 32 mil pessoas na quarta-feira, 41 mil na quinta-feira, 39 mil na sexta-feira e 48 mil no sábado, Luís Montez assegurou, embora não tenham ainda sido divulgados os números de domingo, terem sido batidos "recordes de público".

Com o festival a terminar, o promotor está já a preparar a próxima edição, que vai decorrer de "02 a 06 de agosto, no sítio do costume", no ano em que se celebram os 20 anos do festival.

Com dois palcos, três dias de concertos rock e muito pó, o festival Sudoeste estreou-se em 1997, na Herdade da Casa Branca, em Odemira, desbravando terreno para passar a "cultivar música" em plena costa alentejana, tendo chegado à 20.ª edição com mais palcos, mais espetáculos, mais público, novas tecnologias e nove dias de campismo.

Ainda nos anos noventa, apesar das "dúvidas", Luís Montez apostou na costa alentejana como o local ideal para promover um festival de música.

"Achava que havia apetência para este tipo de eventos, porque tínhamos um clima único e esta costa vicentina é inacreditável, mas daí a que o público se deslocasse a 200 quilómetros de Lisboa para vir assistir a um concerto no meio do Alentejo, tinha dúvidas", confessou, em declarações à agência Lusa.

Das primeiras edições, com concertos de bandas rock reconhecidas internacionalmente, como Marilyn Manson, dEus, Blur, Suede ou, entre outras, The Cure, o festival foi-se adaptando até aos dias de hoje, em que se foca na música eletrónica, sendo esta, segundo Luíz Montez, uma forma de diferenciação e de enfrentar a concorrência que foi surgindo.

"Temos um posicionamento, este é um festival jovem, mas que não esquece os mais adultos", disse, lembrando a atuação na edição deste ano de artistas como Sia, Seu Jorge, ou James Morrison, que "são para todas as idades".

A par da música, também os serviços e as infraestruturas, como as zonas de concertos e de campismo têm evoluído, desde a primeira edição.

Hoje há quatro palcos, relva em vez de pó, wi-fi gratuito, aplicações móveis, roda gigante, animação durante a tarde com concursos e jogos oferecidos por diferentes patrocinadores, locais para carregar telemóveis, supermercado, cozinha comunitária, cinema e sessões com DJ's no canal, que tem agora nadadores salvadores.

  • Adeus, Sudoeste
    3:34

    Cultura

    O Meo sudoeste está prestes a despedir-se da 20ª edição, mas antes do fim da festa, muitos dos campistas já estão de malas aviadas. Os festivaleiros confessam que vão sentir saudades do convívio e dos concertos.

  • Os Tuk Tuk chegam ao Meo Sudoeste
    3:05

    Cultura

    A maioria festivaleiros do Sudoeste não tem automóvel próprio e anda de autocarro entre o recinto do festival e a Vila. Este ano há uma alternativa que está na moda nas grandes cidades: o Tuk Tuk chegou à Herdade da Casa Branca.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59