sicnot

Perfil

Cultura

Para o ano há mais

Para o ano há mais

Steve Angello e Jimmy P fecharam a 20.º edição do Festival MEO Sudoeste. Muitos dos campistas que estiveram na Herdade da Casa Branca despediram-se com tristeza de 9 dias na tenda e 4 de música.

"Muito calor", "fogo de artifício" e "recordes de público" na Herdade da Casa Branca, em Odemira, marcaram a 20.ª edição do festival Meo Sudoeste que tem regresso marcado para o próximo ano, entre 02 e 06 de agosto.

"Correu muito bem o fogo-de-artifício, foi um momento de arrepiar feito com muito carinho", destacou o promotor do festival, Luís Montez, a propósito da forma escolhida para assinalar a 20.ª edição do certame que leva milhares de pessoas a rumar até à costa alentejana desde 1997.

Com 32 mil pessoas na quarta-feira, 41 mil na quinta-feira, 39 mil na sexta-feira e 48 mil no sábado, Luís Montez assegurou, embora não tenham ainda sido divulgados os números de domingo, terem sido batidos "recordes de público".

Com o festival a terminar, o promotor está já a preparar a próxima edição, que vai decorrer de "02 a 06 de agosto, no sítio do costume", no ano em que se celebram os 20 anos do festival.

Com dois palcos, três dias de concertos rock e muito pó, o festival Sudoeste estreou-se em 1997, na Herdade da Casa Branca, em Odemira, desbravando terreno para passar a "cultivar música" em plena costa alentejana, tendo chegado à 20.ª edição com mais palcos, mais espetáculos, mais público, novas tecnologias e nove dias de campismo.

Ainda nos anos noventa, apesar das "dúvidas", Luís Montez apostou na costa alentejana como o local ideal para promover um festival de música.

"Achava que havia apetência para este tipo de eventos, porque tínhamos um clima único e esta costa vicentina é inacreditável, mas daí a que o público se deslocasse a 200 quilómetros de Lisboa para vir assistir a um concerto no meio do Alentejo, tinha dúvidas", confessou, em declarações à agência Lusa.

Das primeiras edições, com concertos de bandas rock reconhecidas internacionalmente, como Marilyn Manson, dEus, Blur, Suede ou, entre outras, The Cure, o festival foi-se adaptando até aos dias de hoje, em que se foca na música eletrónica, sendo esta, segundo Luíz Montez, uma forma de diferenciação e de enfrentar a concorrência que foi surgindo.

"Temos um posicionamento, este é um festival jovem, mas que não esquece os mais adultos", disse, lembrando a atuação na edição deste ano de artistas como Sia, Seu Jorge, ou James Morrison, que "são para todas as idades".

A par da música, também os serviços e as infraestruturas, como as zonas de concertos e de campismo têm evoluído, desde a primeira edição.

Hoje há quatro palcos, relva em vez de pó, wi-fi gratuito, aplicações móveis, roda gigante, animação durante a tarde com concursos e jogos oferecidos por diferentes patrocinadores, locais para carregar telemóveis, supermercado, cozinha comunitária, cinema e sessões com DJ's no canal, que tem agora nadadores salvadores.

  • Adeus, Sudoeste
    3:34

    Cultura

    O Meo sudoeste está prestes a despedir-se da 20ª edição, mas antes do fim da festa, muitos dos campistas já estão de malas aviadas. Os festivaleiros confessam que vão sentir saudades do convívio e dos concertos.

  • Os Tuk Tuk chegam ao Meo Sudoeste
    3:05

    Cultura

    A maioria festivaleiros do Sudoeste não tem automóvel próprio e anda de autocarro entre o recinto do festival e a Vila. Este ano há uma alternativa que está na moda nas grandes cidades: o Tuk Tuk chegou à Herdade da Casa Branca.

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.