sicnot

Perfil

Cultura

Cientistas analisam risco de incêndio no Boom Festival de Idanha-a-Nova

​Cientistas portugueses vão realizar testes de campo, no âmbito de um projeto de análise ao risco de incêndio em parques de campismo e caravanismo. O festival começa esta quinta-feira em Idanha-a-Nova.

O investigador da Universidade de Coimbra que coordena o projeto FireCamp2, Miguel Almeida, disse hoje à agência Lusa que as experiências decorrerão "em todos os dias do Boom Festival", de 11 a 18 de agosto, com auxílio de um balão equipado com uma câmara de raios infravermelhos.

"Esta câmara não reconhece as pessoas e vai captar imagens sempre que as condições atmosféricas permitam" a subida do balão de hélio, acrescentou.

Em julho, cientistas de quatro universidades portuguesas envolvidas na investigação "já tinham realizado ensaios de voo" preliminares no espaço do festival de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, quando a zona não estava ainda ocupada.

O membro da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), laboratório associado da UC liderado pelo catedrático Domingos Xavier Viegas, salientou que a organização do Boom Festival demonstrou "uma grande vontade de colaborar no projeto", que visa reduzir os riscos incêndio em parques de campismo e caravanismo, incluindo estacionamentos e outros espaços de apoio temporário a festivais que implicam grandes concentrações de pessoas em áreas agrícolas e florestais.

"É uma tecnologia que vamos ainda experimentar", disse Miguel Almeida, indicando que a câmara de infravermelhos captará imagens que depois, em laboratório, ajudarão os cientistas a analisar o risco de incêndio nesses locais e a criar "um algoritmo de reconhecimento" do fogo.

O sistema de deteção precoce dos focos de incêndio incluirá "uma ferramenta para alerta de incêndios" que deve melhorar a segurança de pessoas e bens naqueles parques, bem como nos espaços equivalentes de apoio pontual a festivais ao ar livre.

Miguel Almeida defendeu que os festivais, que geralmente se realizam nos meses de verão e em áreas com vegetação inflamável, devem ser "zonas altamente salvaguardadas do risco de incêndio".

A instalação de "cozinhas comunitárias para os festivaleiros" que optem por confecionar as suas refeições é uma das recomendações dos investigadores.

"Temos detetado várias situações de risco nos parques de campismo e caravanismo", admitiu, indicando que o Boom Festival disponibiliza aquelas cozinhas aos interessados, contribuindo para diminuir o risco de incêndio.

Os campistas devem também "deixar as viaturas prontas para sair da forma mais rápida possível" em caso de necessidade, disse.

Na semana passada, Miguel Almeida visitou o Andanças, depois de um incêndio ter queimado, na quarta-feira, mais de 400 automóveis nas imediações do Festival Internacional de Música e Dança Tradicional, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre.

"Dois dias depois do incêndio, ainda vi no estacionamento uma série de carros bloqueados por outras pessoas, o que não pode acontecer, muito menos numa zona de risco", alertou o investigador de Coimbra.

Com Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.