sicnot

Perfil

Cultura

Cientistas analisam risco de incêndio no Boom Festival de Idanha-a-Nova

​Cientistas portugueses vão realizar testes de campo, no âmbito de um projeto de análise ao risco de incêndio em parques de campismo e caravanismo. O festival começa esta quinta-feira em Idanha-a-Nova.

O investigador da Universidade de Coimbra que coordena o projeto FireCamp2, Miguel Almeida, disse hoje à agência Lusa que as experiências decorrerão "em todos os dias do Boom Festival", de 11 a 18 de agosto, com auxílio de um balão equipado com uma câmara de raios infravermelhos.

"Esta câmara não reconhece as pessoas e vai captar imagens sempre que as condições atmosféricas permitam" a subida do balão de hélio, acrescentou.

Em julho, cientistas de quatro universidades portuguesas envolvidas na investigação "já tinham realizado ensaios de voo" preliminares no espaço do festival de Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, quando a zona não estava ainda ocupada.

O membro da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial (ADAI), laboratório associado da UC liderado pelo catedrático Domingos Xavier Viegas, salientou que a organização do Boom Festival demonstrou "uma grande vontade de colaborar no projeto", que visa reduzir os riscos incêndio em parques de campismo e caravanismo, incluindo estacionamentos e outros espaços de apoio temporário a festivais que implicam grandes concentrações de pessoas em áreas agrícolas e florestais.

"É uma tecnologia que vamos ainda experimentar", disse Miguel Almeida, indicando que a câmara de infravermelhos captará imagens que depois, em laboratório, ajudarão os cientistas a analisar o risco de incêndio nesses locais e a criar "um algoritmo de reconhecimento" do fogo.

O sistema de deteção precoce dos focos de incêndio incluirá "uma ferramenta para alerta de incêndios" que deve melhorar a segurança de pessoas e bens naqueles parques, bem como nos espaços equivalentes de apoio pontual a festivais ao ar livre.

Miguel Almeida defendeu que os festivais, que geralmente se realizam nos meses de verão e em áreas com vegetação inflamável, devem ser "zonas altamente salvaguardadas do risco de incêndio".

A instalação de "cozinhas comunitárias para os festivaleiros" que optem por confecionar as suas refeições é uma das recomendações dos investigadores.

"Temos detetado várias situações de risco nos parques de campismo e caravanismo", admitiu, indicando que o Boom Festival disponibiliza aquelas cozinhas aos interessados, contribuindo para diminuir o risco de incêndio.

Os campistas devem também "deixar as viaturas prontas para sair da forma mais rápida possível" em caso de necessidade, disse.

Na semana passada, Miguel Almeida visitou o Andanças, depois de um incêndio ter queimado, na quarta-feira, mais de 400 automóveis nas imediações do Festival Internacional de Música e Dança Tradicional, no concelho de Castelo de Vide, distrito de Portalegre.

"Dois dias depois do incêndio, ainda vi no estacionamento uma série de carros bloqueados por outras pessoas, o que não pode acontecer, muito menos numa zona de risco", alertou o investigador de Coimbra.

Com Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.