sicnot

Perfil

Cultura

Cerca de 32 mil pessoas assistiram ao festival Bons Sons na aldeia de Cem Soldos

Entre sexta e segunda-feira , cerca de 32 mil festivaleiros assistiram aos 50 concertos que assinalaram os dez anos do festival de música portuguesa Bons Sons, em Cem Soldos, localidade que se assume como a "aldeia cultura" do concelho de Tomar.

"Foram quatro dias, com 50 bandas a atraírem 32 mil visitantes com nomes sonantes do fado, da música tradicional, do rock, do post-rock, do country, do hip-hop, do indie, da vanguarda, do erudito contemporâneo, da eletrónica, do afro-beat ou do kitch", revelou hoje a organização, num balanço da edição comemorativa dos dez anos do Festival Bons Sons.

Pela aldeia - que, entre sexta-feira e o feriado do dia 15 de agosto, se transformou, toda ela, no recinto do festival - passaram 204 músicos que protagonizaram os cinquenta concertos realizados nos oito palcos de Cem Soldos.

O festival, marcado pelo forte cariz comunitário que envolve toda a população na sua organização, foi também cenário onde o próprio público teve oportunidade de mostrar os seus projetos, com "20 atuações espontâneas", no Palco Garagem (dedicados a bandas emergentes).

O evento, que movimentou, a par da população, 400 voluntários de vários pontos do país, atraiu ainda 105 jornalistas e representantes de meios de comunicação social que, ao longo de quatro dias, reportaram o ambiente da aldeia.

Um balanço "muito positivo" do festival que se orgulha de ser "um marco na paisagem musical e cultural do país" e que, como o seu mentor, o diretor artístico do Bons Sons, Luís Ferreira, disse à agência Lusa, "não quer crescer mais a nível de escala, mas apenas que se reinvente e cresça em qualidade e propostas".

Dez anos depois de iniciado o percurso que pôs Cem Soldos na rota dos festivaleiros, a aposta da organização é agora consolidar o território como "aldeia de cultura e aumentar os motivos para trazer pessoas a Cem Soldos, ao longo de todo o ano".

Para isso está já na forja o CaldelasFest, um "festival mais intimista", mas mais virado para "música do mundo", com o qual Cem Soldos quer atrair "outras aldeias, regiões e bairros que tenham projetos na área da música", que Luís Ferreira desafia a partilhar, tendo como cenário as ruínas romanas de Caldelas, a cerca de dois quilómetros da aldeia.

Este "microfestival" programado para arrancar "em moldes mais pequenos do que o Bons Sons, na primeira edição", em 2005, será apenas mais um exemplo de um conjunto de projetos sociais e culturais que Cem Soldos está a desenvolver, e para os quais são canalizados, "quando os há", os lucros do Bons Sons.

Entre eles destacam-se o "Lar Aldeia", um projeto de inovação social que visa recuperar algumas unidades habitacionais e integrar idosos no centro de Cem Soldos, mantendo a sua individualidade e privacidade, mas fornecendo-lhes serviços de apoio essenciais e estimulando o seu quotidiano.

Outro projeto, intitulado "CAAL -- Casa Aqui Ao Lado", passa pela recuperação de uma habitação anexa ao clube local (organizador do Bons Sons), para albergar "residências artísticas e aliviar custos de produção de outras atividades culturais como a Mostra de Teatro", explicou Luís Ferreira à Lusa.

O festival Bons Sons realizou-se pela primeira vez em 2006 e teve periodicidade bienal até 2015, quando a sua realização passou a ser anual.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.