sicnot

Perfil

Cultura

Festival de Curtas de Teatro do Algarve arranca esta quinta-feira em Faro

O Festival de Curtas de Teatro do Algarve, que se realiza de dois em dois anos, decorre de quinta-feira a sábado, em Faro, com sete espetáculos a percorrerem o edifício da Sociedade Recreativa Artística Farense - Os Artistas.

A terceira edição do festival, produzido pelo Laboratório de Artes e Média do Algarve (LAMA), e apoiado pelo município de Faro, vai consistir num percurso pelas salas, 'hall', pátio e palco do edifício d'Os Artistas, em que o público será guiado por um cicerone, o ator João de Brito.

No percurso, o público irá assistir a sete espetáculos com "registos completamente diferentes", que não ultrapassam os 15 minutos de duração cada, disse à agência Lusa o membro da LAMA, João de Brito.

As sessões, com duração de hora e meia, realizam-se nos três dias, às 22:00, podendo-se encontrar peças mais performativas, outras "mais convencionais", num espetáculo sem grande "aparato técnico", em que o caráter experimental está mais presente, explanou.

Grande parte dos espetáculos é da autoria de "artistas individuais", a maioria do Algarve, contando também com a presença de dois projetos de Lisboa, referiu.

Pelo festival, vai passar uma produção mais focada na performance de Miguel Ponte, a curta "O Registro", encenada por Severine Guerreiro, "Assobios e Cavalos Fantasmas", de Diogo Simão, uma adaptação livre de uma cena de "Hamlet", de Shakespeare, produzida pelo Teatro Improviso, e o monólogo "Mais do que palavras", de Clarisse Ricardo.

"Bem-vindo à América", uma produção da associação lisboeta Casa Cheia, com base na obra do dramaturgo irlandês Brian Friel, e "Nem sempre o silêncio é de ouro", do grupo farense Teatro DoisMaisUm, são os restantes espetáculos que vão passar pelo evento.

O preço de entrada é de cinco euros.

O festival começou por ser uma extensão do Curtas - Mostra de Teatro de Peças de Curta Duração, de Lisboa, tendo assumido produção própria por parte da LAMA a partir de 2014.

LAMA é uma associação cultural com sede em Faro, criada em 2010.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.