sicnot

Perfil

Cultura

Festa do Livro no Palácio de Belém decorre entre 1 e 4 de setembro

A "Festa do Livro de Belém", promovida pela Presidência da República e a associação de editores e livreiros, decorrerá no Palácio de Belém, em Lisboa, entre 1 e 4 de setembro, com a presença prevista de mais de 40 editoras.

As datas da "Festa do Livro de Belém" foram divulgadas através da página da rede social Facebook do Museu da Presidência da República, avançando também a presença de mais de 40 chancelas editoriais.

A realização desta festa foi anunciada pelo Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, que é bibliófilo e coleciona livros antigos desde a adolescência, na abertura da Feira do Livro de Lisboa, no final de maio.

"A Presidência da República e a APEL (Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) decidiram abrir as portas do Palácio de Belém e criar a Festa do Livro, que irá decorrer no início de setembro", revelou na altura Marcelo Rebelo de Sousa, explicando que os visitantes poderão passear nos jardins, mas também "contactar com livros e comprar livros".

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.