sicnot

Perfil

Cultura

Destruído mural do artista de rua britânico Banksy

Um mural do artista de rua britânico Banksy, avaliado em um milhão de libras (1,1 milhões de euros), foi destruído durante as obras de reconstrução da casa onde foi desenhado em 2014, disseram as autoridades locais.

A peça, intitulada "Spy Booth", representa três homens a usar dispositivos de escutas a ouvir as conversas numa cabine de telefone pública em Cheltenham, no sudoeste de Inglaterra.

O conselho local disse que o proprietário do edifício confirmou que o mural foi danificado devido às obras urgentes realizadas na casa, considerada património classificado, após a pintura ter aparecido.

"O proprietário fez as obras depois de um aviso urgente emitido pelo conselho por causa da degradação do edifício classificado", disse o funcionário do conselho, Mark Nelson.

Alex Chalk, conservador da cidade, descreveu a destruição do mural como uma "notícia chocante".

"É preciso ser realizado um inquérito urgente para perceber o que aconteceu. O responsável precisa de ser responsabilizado", afirmou.

Banksy é conhecido pela sua arte de rua que satiriza temas como a guerra, capitalismo, hipocrisia ou ganância.

A identidade do artista permanece em segredo.

Lusa

  • Bruno de Carvalho e Octávio Machado suspensos

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, e o diretor-geral para o futebol, Octávio Machado, foram esta terça-feira suspensos pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência de uma queixa apresentada pelo Benfica em novembro de 2015.

  • Corredora exausta é levada ao colo até à meta na meia maratona do amor
    1:06

    Mundo

    Aconteceu este domingo em Filadélfia, EUA. A poucos metros da meta uma corredora exausta é amparada por dois colegas. Mas o cansaço é tanto que fica sem força nas pernas. É quando aparece a terceira ajuda. Um homem volta para trás e leva-a no colo até à meta. A centímetros do fim larga-a para que a corredora possa atravessar a meta pelo seu próprio pé.

    Patrícia Almeida

  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho