sicnot

Perfil

Cultura

Maria João Pires candidata aos Prémios Gramophone

A pianista Maria João Pires, com a gravação do 3.º Concerto para piano e orquestra, de Beethoven, está entre os candidatos aos prémios anuais da revista britânica Gramophone, cujos vencedores são conhecidos hoje, no Reino Unido.

A pianista compete na categoria Melhor Gravação de Concerto, com o recital que realizou em 2012, no Festival Chopin, em Varsóvia, com a Orquestra do Século XVIII, sob a direção do maestro holandês Frans Brüggen.

Esta é a primeira gravação da pianista num piano de época, um Érard de 1849, e com uma orquestra com instrumentos de época - a Orquestra do Século XVIII, fundada por Frans Brüggen, que a dirige, um dos precursores da denominada corrente de interpretação historicamente informada, falecido em agosto de 2014.

A pianista Maria João Pires, de 72 anos, foi distinguida no ano passado com o Prémio Gramophone, na mesma categoria, pela gravação dos Concertos n.º 3 e n.º 4, para piano e orquestra de Beethoven, com a Orquestra Sinfónica da Rádio Sueca, sob direção do maestro britânico Daniel Harding.

Estes prémios são dirigidos à indústria discográfica de música clássica e são atribuídos anualmente pela revista britânica Gramophone, através da votação de membros da indústria e de um júri de críticos.

Ao todo, os prémios têm 12 categorias: Instrumental Barroco, Vocal Barroco, Música de Câmara, Coral, Concerto, Música Contemporânea, Música Emergente, Instrumental, Ópera, Orquestra, Recital e Voz Solista.

Na mesma categoria de Maria João Pires, concorrem a violinista Janine Jansen, com a Orquestra de Santa Cecília, sob a direção de Antonio Pappano, numa edição que reúne, pela primeira vez em disco, o Concerto n.º 1 para violino e orquestra, de Béla Bartók, e o Concerto para violino, de Johannes Brahms, e a violinista Vilde Frang, acompanhada pela Orquestra Sinfónica da Rádio Frankfurt, sob a direção de James Gaffigan, que gravou os Concertos para Violino, de Benjamin Britten e de Erich Korngold.

São ainda candidatos o violinista Christian Tetzlaff, que gravou o Concerto para Violino e "Romance", de Dvorák, e "Fantasia", de Josef Suk, com a Orquestra Sinfónica de Helsínquia, sob a direção de John Storgards, o violetista Maxim Rysanov, com a Rapsódia-Concerto, e outras peças de Bohuslav Martinu, a Sinfónica da BBC e o maestro Jiri Belohlávek, e também o pianista Daniil Trifonov, que gravou "Variações", de Rachamaninov, com a Filarmónica de Filadélfia, sob a batuta de Yannick Nezet-Séguin.

A entrega dos Prémios realiza-se em Londres, a 15 de setembro, altura em que serão conhecidos os Prémios Gramophone Carreira, Artista e Jovem Artista do Ano, Etiqueta Discográfica do Ano e o prémio de Gravação do Ano.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.