sicnot

Perfil

Cultura

Morreu o músico belga Toots Thielemans aos 94 anos

O músico belga Toots Thielemans, considerado como uma referência mundial da harmónica, morreu hoje, aos 94 anos, disse à Agência France Presse o seu agente, Veerle Van de Poel.

Segundo o representante do músico, Jean-Baptiste Frederic Isidore Thielemans - conhecido como Toots - "morreu durante o sono" num hospital de Bruxelas.

Toots Thielemans nasceu no bairro de Marolles, na capital da Bélgica em 1922, tendo alcançado a notoriedade como tocador de harmónica quando se juntou a uma digressão da orquestra do norte-americano Benny Goodman, na Europa, em 1950.

Um ano antes, tinha tocado em Paris com os músicos de jazz norte-americanos, Sidney Bechet, Charlie Parker, Miles Davies e Max Roach.

Pouco depois, mudava-se para os Estados Unidos, onde começou a acompanhar músicos de jazz como Charlie Parker e Bill Evans ou cantoras como Ella Fitzgerald.

Além da harmónica, pequeno instrumento de sopro de 15 centímetros, Toots Thielemans era também considerado um exímio guitarrista.

Em março de 2014, Toots Thielemans anunciou o fim da longa carreira marcada sobretudo pelo jazz.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08

    Perdidos e Achados

    A 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, o Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal.

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.