sicnot

Perfil

Cultura

Plácido Domingo canta num rio da Amazónia em defesa do ambiente

​O tenor espanhol Plácido Domingo atua hoje, num palco flutuante no rio Negro, em plena Amazónia, uma organização do festival de música Rock in Rio que pretende alertar o mundo para a desflorestação e as alterações climáticas.

No concerto, na região de Manaus, atuam também a Orquestra Filarmónica e o Coro da Amazónia, além do filho do tenor, Plácido Domingo Jr., do tenor brasileiro Saulo Laucas e dos músicos, também brasileiros, Andreas Kisser e Ivete Sangalo.

Com transmissão direta pela internet, pretende a organização sensibilizar a população mundial para o problema da preservação ambiental, da desflorestação da Amazónia e das alterações climáticas.

No local estarão apenas 200 convidados, também eles numa plataforma flutuante montada no rio, mas o objetivo da vertente social do Rock in Rio é chegar a milhões de pessoas, consciencializando-as para a necessidade de "serem agentes ativos no combate às alterações climáticas através da sua própria mudança de comportamento", diz a organização.

Paralelamente, a organização do Rock in Rio pretende angariar verbas para plantar quatro milhões de árvores na Amazónia, especialmente numa das zonas mais devastadas, junto do rio Xingu. Até agora, já tem garantidas 2.890.000 árvores.

O projeto tem o apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (FUNBIO), do Instituto Socioambiental (ISA), também do Brasil, e da Conservação Internacional (uma organização internacional com sede em Washington).

A organização ambientalista portuguesa Quercus também apoia a iniciativa.

O Rock in Rio é um festival de música que começou em 1985, no Brasil, e que, desde 2004, acontece também em Portugal, Lisboa, de dois em dois anos.

Espanha, Estados Unidos e, em breve, Argentina são outros países a receber o festival.

Em 2001 o fundador do Rock in Rio, Roberto Medina, criou a vertente social do projeto, "Rock in Rio - Por um Mundo Melhor", que desde aí já investiu 24 milhões de euros em projetos sociais e ambientais. O concerto de hoje insere-se nessa vertente.

O concerto pode ser seguido, a partir das 23:30 (hora de Portugal Continental e Madeira), no site do Rock in Rio, www.rockinriolisboa.sapo.pt, ou ainda através dos endereços www.amazonialive.com e globo.com/multishow.com, no Brasil, e LiveXLive.com, a nível global.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.