sicnot

Perfil

Cultura

Coreógrafo espanhol reinventa flamenco no palco do CCB

Reuters

O coreógrafo e bailarino espanhol Israel Galván vai interpretar o espetáculo de flamenco "FLA.CO.MEN", criado sob um conceito de concerto/performance, a 8 e 9 de setembro, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

Estreado a 14 de setembro de 2014 na XVIII Bienal de Flamenco de Sevilha, "FLA.CO.MEN" vai ser apresentado nos dois dias às 21h00, no grande auditório do CCB, de acordo com a programação.

Israel Galván será também o intérprete desta criação da sua autoria, acompanhado pelos músicos David Lagos, Tomás de Perrate, Eloísa Cantón, Caracafé, e Juan Jiménez Alba e Antonio Moreno do Proyecto Lorca.

Considerada uma das atuais figuras inovadoras do flamenco, o coreógrafo e bailarino nascido em Sevilha tem vindo a incorporar nas suas criações de flamenco várias influências, desde os seus contemporâneos da dança, aos mestres e à tradição.

O seu trabalho assenta numa filosofia de fusão do flamenco tradicional com sons multiculturais, nomeadamente os tambores africanos, os ritmos cubanos, as melodias antigas e contemporâneas.

Foi galardoado, entre outros, com o National Dance Award for Exceptional Artistry (Reino Unido), o Grand Prix Danse 2009-2010 (França), e condecorado este ano Oficial da Ordem das Artes e das Letras pelo Ministério da Cultura francês.

O espetáculo que irá ao CCB integra ainda as peças "Sevillanas", com coreografia de Pedro G. Romero, e "Alegrías", de Patricia Caballero.

Lusa

  • "O PSD não é o bombeiro de serviço desta geringonça"
    1:09

    TSU

    O líder da bancada social-democrata avisa os partidos da esquerda para que tenham o caso da TSU como exemplo e não voltem a usar o PSD como muleta em situações em que não estejam de acordo com o Governo, como pode vir a acontecer com as PPP no setor da saúde. Luís Montenegro foi entrevistado esta manhã na SIC Notícias.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.