sicnot

Perfil

Cultura

Mia Couto lança segundo livro de trilogia que invoca Gungunhana

O escritor moçambicano Mia Couto lançou esta segunda-feira em Maputo o segundo volume da trilogia dedicada ao reinado de Gungunhana, uma história que retrata a paixão entre um sargento português e uma jovem nativa durante a resistência à ocupação colonial.

"É um livro que lembra com saudade o nome de Gungunhana", disse à imprensa Mia Couto, à margem do lançamento da obra, intitulada "A Espada e a Azagaia", acrescentando que se trata de mais um contributo para a dignificação da história de Moçambique.

Recuando aos últimos dias do antigo Estado de Gaza, que se estendia desde o centro até ao sul de Moçambique, sob liderança do último imperador, Gungunhana, a nova obra do prémio Camões em 2013 cruza as "versões da história contada por vencedores e vencidos".

O livro percorre os labirintos de um tempo não muito remoto de dois povos, a partir de um romance entre uma jovem de cultura txope e um sargento português, em época de resistência à ocupação colonial.

"No fundo, apesar de estar escrita aqui uma história de guerra, esta é uma história de amor", explicou o autor, acrescentando que, diferentemente do primeiro livro da trilogia, "Mulheres de Cinza", em "A Espada e a Azagaia" os conflitos são muito mais frequentes e Gungunhana entra definitivamente na história.

Gungunhana acabou por ser derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque e foi posteriormente deportado para os Açores, onde morreu em 1906.

O corpo de Gungunhana foi repatriado para Moçambique em 1985, mas persistem relatos de que, em vez dos seus ossos, o caixão continha apenas areia colhida em solo português, o que, segundo Mia Couto, quando apresentou o primeiro trabalho da trilogia, traz "uma ideia de fragilidade, de uma figura que se pode esfarelar".

Enquanto escrevia o "A Espada e a Azagaia", Mia Couto conta que visitou os Açores e a ideia de africanos deportados que "fizerem as suas vidas" mostra que há muito mais em comum entre as duas realidades.

"Há netas de Gungunhana nos Açores que querem conhecer as suas origens", declarou o escritor, acrescentando que o cruzamento das histórias dos dois povos é um elemento peculiar e merece a devida atenção.

À Lusa, à margem do lançamento da primeira obra da trilogia em 2015, Mia Couto admitiu que a obra contém riscos, quando Moçambique vive "numa situação tensa", em que "pode haver aproveitamentos do ponto de vista étnico e memórias reaproveitadas ao serviço de interesses".

Na altura, o escritor recordou uma conversa com o Presidente moçambicano, quando ainda estava a escrever "Mulheres de Cinza", dando-lhe conta da sua inquietação de que este livro pudesse servir para despertar fantasmas.

"Mais vale sermos nós a despertar fantasmas do que eles a nós", comentou Filipe Nyusi, na conversa reproduzida pelo romancista.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59