sicnot

Perfil

Cultura

Mia Couto lança segundo livro de trilogia que invoca Gungunhana

O escritor moçambicano Mia Couto lançou esta segunda-feira em Maputo o segundo volume da trilogia dedicada ao reinado de Gungunhana, uma história que retrata a paixão entre um sargento português e uma jovem nativa durante a resistência à ocupação colonial.

"É um livro que lembra com saudade o nome de Gungunhana", disse à imprensa Mia Couto, à margem do lançamento da obra, intitulada "A Espada e a Azagaia", acrescentando que se trata de mais um contributo para a dignificação da história de Moçambique.

Recuando aos últimos dias do antigo Estado de Gaza, que se estendia desde o centro até ao sul de Moçambique, sob liderança do último imperador, Gungunhana, a nova obra do prémio Camões em 2013 cruza as "versões da história contada por vencedores e vencidos".

O livro percorre os labirintos de um tempo não muito remoto de dois povos, a partir de um romance entre uma jovem de cultura txope e um sargento português, em época de resistência à ocupação colonial.

"No fundo, apesar de estar escrita aqui uma história de guerra, esta é uma história de amor", explicou o autor, acrescentando que, diferentemente do primeiro livro da trilogia, "Mulheres de Cinza", em "A Espada e a Azagaia" os conflitos são muito mais frequentes e Gungunhana entra definitivamente na história.

Gungunhana acabou por ser derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque e foi posteriormente deportado para os Açores, onde morreu em 1906.

O corpo de Gungunhana foi repatriado para Moçambique em 1985, mas persistem relatos de que, em vez dos seus ossos, o caixão continha apenas areia colhida em solo português, o que, segundo Mia Couto, quando apresentou o primeiro trabalho da trilogia, traz "uma ideia de fragilidade, de uma figura que se pode esfarelar".

Enquanto escrevia o "A Espada e a Azagaia", Mia Couto conta que visitou os Açores e a ideia de africanos deportados que "fizerem as suas vidas" mostra que há muito mais em comum entre as duas realidades.

"Há netas de Gungunhana nos Açores que querem conhecer as suas origens", declarou o escritor, acrescentando que o cruzamento das histórias dos dois povos é um elemento peculiar e merece a devida atenção.

À Lusa, à margem do lançamento da primeira obra da trilogia em 2015, Mia Couto admitiu que a obra contém riscos, quando Moçambique vive "numa situação tensa", em que "pode haver aproveitamentos do ponto de vista étnico e memórias reaproveitadas ao serviço de interesses".

Na altura, o escritor recordou uma conversa com o Presidente moçambicano, quando ainda estava a escrever "Mulheres de Cinza", dando-lhe conta da sua inquietação de que este livro pudesse servir para despertar fantasmas.

"Mais vale sermos nós a despertar fantasmas do que eles a nós", comentou Filipe Nyusi, na conversa reproduzida pelo romancista.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC