sicnot

Perfil

Cultura

Mia Couto lança segundo livro de trilogia que invoca Gungunhana

O escritor moçambicano Mia Couto lançou esta segunda-feira em Maputo o segundo volume da trilogia dedicada ao reinado de Gungunhana, uma história que retrata a paixão entre um sargento português e uma jovem nativa durante a resistência à ocupação colonial.

"É um livro que lembra com saudade o nome de Gungunhana", disse à imprensa Mia Couto, à margem do lançamento da obra, intitulada "A Espada e a Azagaia", acrescentando que se trata de mais um contributo para a dignificação da história de Moçambique.

Recuando aos últimos dias do antigo Estado de Gaza, que se estendia desde o centro até ao sul de Moçambique, sob liderança do último imperador, Gungunhana, a nova obra do prémio Camões em 2013 cruza as "versões da história contada por vencedores e vencidos".

O livro percorre os labirintos de um tempo não muito remoto de dois povos, a partir de um romance entre uma jovem de cultura txope e um sargento português, em época de resistência à ocupação colonial.

"No fundo, apesar de estar escrita aqui uma história de guerra, esta é uma história de amor", explicou o autor, acrescentando que, diferentemente do primeiro livro da trilogia, "Mulheres de Cinza", em "A Espada e a Azagaia" os conflitos são muito mais frequentes e Gungunhana entra definitivamente na história.

Gungunhana acabou por ser derrotado em 1895 pelas forças portuguesas comandadas por Mouzinho de Albuquerque e foi posteriormente deportado para os Açores, onde morreu em 1906.

O corpo de Gungunhana foi repatriado para Moçambique em 1985, mas persistem relatos de que, em vez dos seus ossos, o caixão continha apenas areia colhida em solo português, o que, segundo Mia Couto, quando apresentou o primeiro trabalho da trilogia, traz "uma ideia de fragilidade, de uma figura que se pode esfarelar".

Enquanto escrevia o "A Espada e a Azagaia", Mia Couto conta que visitou os Açores e a ideia de africanos deportados que "fizerem as suas vidas" mostra que há muito mais em comum entre as duas realidades.

"Há netas de Gungunhana nos Açores que querem conhecer as suas origens", declarou o escritor, acrescentando que o cruzamento das histórias dos dois povos é um elemento peculiar e merece a devida atenção.

À Lusa, à margem do lançamento da primeira obra da trilogia em 2015, Mia Couto admitiu que a obra contém riscos, quando Moçambique vive "numa situação tensa", em que "pode haver aproveitamentos do ponto de vista étnico e memórias reaproveitadas ao serviço de interesses".

Na altura, o escritor recordou uma conversa com o Presidente moçambicano, quando ainda estava a escrever "Mulheres de Cinza", dando-lhe conta da sua inquietação de que este livro pudesse servir para despertar fantasmas.

"Mais vale sermos nós a despertar fantasmas do que eles a nós", comentou Filipe Nyusi, na conversa reproduzida pelo romancista.

Lusa

  • "Já só lhes resta uma coisa: bisbilhotar comunicações privadas"
    2:57

    Caso CGD

    O primeiro-ministro diz que o PSD atingiu o grau zero da política, quando chegou à "bisbilhotice" de querer ver as mensagens trocadas entre o ministro das Finanças e António Domingues. A polémica da Caixa Geral de Depósitos voltou a marcar o debate quinzenal, com António Costa a garantir que nunca esteve em causa a entrega de declarações da administração. Já o PSD e o CDS a acusaram o Governo de violar as regras da transparência e de oprimir os direitos da oposição.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • Técnica de defesa contra aperto de mão de Donald Trump
    1:39
  • Vídeo mostra aterragem de Harrison Ford que quase causou um desastre

    Mundo

    Harrison Ford quase provocou um grave acidente quando, ao pilotar um dos seus aviões, falhou a pista de aterragem e esteve muito perto de chocar contra um um Boeing 737, com mais de 100 pessoas a bordo. O incidente com o ator norte-americano, considerado um piloto experiente, aconteceu na passada segunda-feira, dia 13, no Condado de Orange, na Califórnia, e o momento foi captado em vídeo.

  • Descoberta nova espécie de primatas em Angola

    Mundo

    Uma equipa britânica de cientistas descobriu uma nova espécie de galagos anões, um primata pertencente à família dos galonídeos - comum na África subsariana -, na floresta ameaçada da Kumbira, localizada na província do Cuanza Sul, noroeste de Angola.

  • Vestidos da princesa Diana em exposição
    1:29

    Mundo

    As roupas mais emblemáticas da princesa Diana vão estar em exposição no Palácio de Kensington, em Londres, a partir de sexta-feira. O objetivo é mostrar a evolução do estilo da princesa de Gales, considerada um dos maiores ícones de moda de sempre.