sicnot

Perfil

Cultura

Academia Portuguesa de Cinema propõe Acácio de Almeida para Prémio Carreira

A Academia Portuguesa de Cinema (APC) escolheu o diretor de fotografia Acácio de Almeida para representar Portugal na categoria Carreira Ibero-americana dos Prémios Fénix da Academia Mexicana de Artes e Ciências Cinematográficas.

A votação para esta categoria é assegurada pelas diversas academias ibero-americanas, e o vencedor será divulgado na cerimónia de entrega dos prémios, que se realiza no dia 07 de dezembro, no Teatro da Cidade do México, adiantou hoje a APC, presidida pelo produtor Paulo Trancoso.

Esta vai ser a terceira edição dos Prémios Fénix, "que se destinam a reconhecer e celebrar o trabalho daqueles que se dedicam ao cinema, na América Latina e na Península Ibérica", segundo a APC.

Acácio de Almeida iniciou-se como diretor de fotografia na longa-metragem "O cerco" (1979), de António da Cunha Telles, um dos filmes que definiu a corrente do chamado Cinema Novo português, dos anos de 1960/1970.

Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, onde estagiou com Nestor Almendros, o diretor de fotografia catalão, que assinou a cinematografia de "Kramer contra Kramer" e de "A escolha de Sofia", e que venceu o Óscar da Academia de Hollywood por "Dias do Paraíso", de Terrence Malick.

Em Portugal, Acácio de Almeida foi cofundador do Centro Português de Cinema, em 1970, e da cooperativa Grupo Zero, após o 25 de Abril de 1974, e da produtora Inforfilmes, em 1987.

Trabalhou com realizadores internacionais como Raoul Ruiz ("Os Mistérios de Lisboa") e Alan Tanner ("A Cidade Branca"), e soma a direção de fotografia de mais de uma centena de filmes portugueses, dirigidos por realizadores como João César Monteiro, Jorge Silva Melo, Paulo Rocha, Alberto Seixas Santos, Teresa Villaverde, José Fonseca e Costa, João Mário Grilo, João Botelho e Manoel de Oliveira.

Acácio de Almeida foi reconhecido, em outubro de 2013, com o Prémio Sophia Carreira da Academia Portuguesa de Cinema.

Nas duas edições anteriores dos Prémios Fénix, para a representação portuguesa, a APC escolheu o diretor de fotografia Eduardo Serra, que assinou a cinematografia de filmes como "Harry Potter e os Talismãs da Morte (I e II)", "Diamante de sangue" e "A rapariga com brinco de pérola", e o produtor e realizador António da Cunha Telles, responsável por filmes como "O cerco", "Pandora" e "Kissme", que dirigiu, e "Ruy Blas", "Volpone" ou "Belarmino", que produziu.

Lusa

  • Japão ganha nova esperança ao derrotar a Colômbia (2-1)

    Mundial 2018 / Colômbia

    No primeiro jogo do grupo H, a Colômbia foi derrotada pelo Japão. Um dos momentos altos do jogo aconteceu logo ao minuto 4 quando, na sequência de uma falta de Carlos Sanchez, o árbitro assinalou um penálti a favor da equipa japonesa. O colombiano levou um cartão vermelho, depois de ter intercetado um remate do Japão com a mão. Apesar da desvantagem numérica, a Colômbia iguala o marcador aos 39 minutos com um livre de Quintero. Contudo, Yuya Osako colocou o Japão novamente em vantagem aos 73 min.

  • Hospitais públicos à beira da rutura
    2:28
  • Repitam comigo: Portugal vai ser campeão do Mundo
    4:56
  • OMS inclui dependência dos videojogos na lista de doenças mentais

    Mundo

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu a dependência de videojogos na lista de doenças mentais, uma possibilidade que tinha sido prevista no início do ano e que foi anunciada esta segunda-feira. Este pode ser mais um argumento para os pais limitarem o tempo de acesso dos filhos às consolas, computadores e todos os dispositivos com videojogos.

    SIC

  • "Estou a ser posta porta fora (...) faço o que vocês me disserem"
    2:43
  • Morreu o orangotango mais velho do mundo

    Mundo

    O orangotango mais velho do mundo morreu aos 62 anos no jardim zoológico de Perth, no norte da Austrália, deixando 54 descendentes, anunciou esta terça-feira a instituição.

  • Milionários aumentam... e as suas fortunas também

    Mundo

    O número de milionários mundiais cresceu em 2017 e o seu nível de riqueza aumentou pelo sexto ano consecutivo, ultrapassando pela primeira vez os 70 biliões de dólares (60,5 biliões de euros), segundo um estudo divulgado esta terça-feira.