sicnot

Perfil

Cultura

Academia Portuguesa de Cinema propõe Acácio de Almeida para Prémio Carreira

A Academia Portuguesa de Cinema (APC) escolheu o diretor de fotografia Acácio de Almeida para representar Portugal na categoria Carreira Ibero-americana dos Prémios Fénix da Academia Mexicana de Artes e Ciências Cinematográficas.

A votação para esta categoria é assegurada pelas diversas academias ibero-americanas, e o vencedor será divulgado na cerimónia de entrega dos prémios, que se realiza no dia 07 de dezembro, no Teatro da Cidade do México, adiantou hoje a APC, presidida pelo produtor Paulo Trancoso.

Esta vai ser a terceira edição dos Prémios Fénix, "que se destinam a reconhecer e celebrar o trabalho daqueles que se dedicam ao cinema, na América Latina e na Península Ibérica", segundo a APC.

Acácio de Almeida iniciou-se como diretor de fotografia na longa-metragem "O cerco" (1979), de António da Cunha Telles, um dos filmes que definiu a corrente do chamado Cinema Novo português, dos anos de 1960/1970.

Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, em Paris, onde estagiou com Nestor Almendros, o diretor de fotografia catalão, que assinou a cinematografia de "Kramer contra Kramer" e de "A escolha de Sofia", e que venceu o Óscar da Academia de Hollywood por "Dias do Paraíso", de Terrence Malick.

Em Portugal, Acácio de Almeida foi cofundador do Centro Português de Cinema, em 1970, e da cooperativa Grupo Zero, após o 25 de Abril de 1974, e da produtora Inforfilmes, em 1987.

Trabalhou com realizadores internacionais como Raoul Ruiz ("Os Mistérios de Lisboa") e Alan Tanner ("A Cidade Branca"), e soma a direção de fotografia de mais de uma centena de filmes portugueses, dirigidos por realizadores como João César Monteiro, Jorge Silva Melo, Paulo Rocha, Alberto Seixas Santos, Teresa Villaverde, José Fonseca e Costa, João Mário Grilo, João Botelho e Manoel de Oliveira.

Acácio de Almeida foi reconhecido, em outubro de 2013, com o Prémio Sophia Carreira da Academia Portuguesa de Cinema.

Nas duas edições anteriores dos Prémios Fénix, para a representação portuguesa, a APC escolheu o diretor de fotografia Eduardo Serra, que assinou a cinematografia de filmes como "Harry Potter e os Talismãs da Morte (I e II)", "Diamante de sangue" e "A rapariga com brinco de pérola", e o produtor e realizador António da Cunha Telles, responsável por filmes como "O cerco", "Pandora" e "Kissme", que dirigiu, e "Ruy Blas", "Volpone" ou "Belarmino", que produziu.

Lusa

  • Encontrados destroços do avião que caiu no Irão

    Mundo

    As autoridades iranianas encontraram destroços do avião que caiu no domingo no sudeste do país, matando as 66 pessoas que seguiam a bordo, revelou um porta-voz da Guarda Revolucionária, o exército de elite do regime.

  • 2,6 milhões de bebés morrem antes de completar um mês

    Mundo

    Os recém-nascidos no Paquistão, República Centro-Africana e Afeganistão são os que têm menor probabilidade de sobreviver, de acordo com um relatório da Unicef que revela que todos os anos 2,6 milhões de crianças morrem antes de completar um mês. Sobretudo nos países mais pobres do mundo, o número de mortes de recém-nascidos a nível global mantém-se assustadoramente elevado.

  • Galp regista lucro de 602 M€ em 2017 

    Economia

    A Galp registou um lucro de 602 milhões de euros no ano passado. Uma subida de 25 por cento em relação a 2016. De acordo com a empresa, os resultados devem-se sobretudo ao aumento da produção de petróleo e gás natural no Brasil, bem como o crescimento dos negócios da refinação e distribuição.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC