sicnot

Perfil

Cultura

Mariza em digressão pelos EUA e Canadá

O mais recente álbum de Mariza, "Mundo", é lançado esta sexta-feira nos Estados Unidos, pela discográfica Nonesuch, antecipando a digressão de 12 concertos da fadista nos EUA e Canadá que acontecem em outubro e novembro.

"Na Nonesuch somos grandes fãs da Mariza há anos. Fizemos tudo o que podíamos para promover a sua música enquanto esteve com a EMI e, quando tivemos oportunidade de trabalhar com ela, agarrámo-la", disse o presidente da discográfica, Bob Hurwitz, em comunicado.

A edição nos EUA surge após um interregno de cinco anos, datando de 2010, o último disco da fadista lançado no país, "Fado tradicional".

"Mundo", que inclui, entre outros, os temas "Paixão", "Melhor de Mim" e "Alma", foi editado em Portugal a 09 de outubro do ano passado e foi eleito o melhor álbum do ano, pela revista de música britânica "Songlines".

Na ocasião, em declarações à Lusa, Mariza afirmou que "Mundo" é "um convite" para o público conhecer melhor o seu universo, o seu mundo, aquilo que é, e como evoluiu e se transformou.

"Este CD surge como um convite às pessoas para visitarem o meu mundo, no que me tornei agora, passados 15 anos do primeiro CD, até este álbum, o que sou, naquilo que me transformei, como eu vejo agora a música, aquilo que sinto e o que é para mim", rematou a fadista.

Em outubro e novembro, Mariza fará uma digressão de 12 concertos, nos Estados Unidos e Canadá.

Mariza abre a digressão a 14 de outubro, no Berklee Performance Center, em Boston, seguindo para Nova Iorque, onde, no dia 15, atua no The Town Hall, e, no dia seguinte, no New Jersey Performing Arts Center, em Newark.

No dia 20 de outubro, a criadora de "Cavaleiro monge" sobe ao palco do Fine Arts Center, da Universidade de Massachusetts, em Amherst. A 22, está no Zeiterion Theatre, em New Bedford, e no dia seguinte atua no Quick Center for the Arts, na Universidade de Fairfield, na Califórnia.

Entre 27 a 30 de outubro, atua no San Francisco Jazz Center, em São Francisco, partindo depois para o estado de Washington, onde atua na cidade de Seattle a 1 de novembro.

A fadista encerra a sua digressão em Vancouver, no Canadá, no Chan Centre for the Performing Arts, em Vancouver, no dia 02 de novembro.

De volta a Portugal, Mariza regressa aos Coliseus de Lisboa e Porto, para dois espetáculos especiais, intitulados de "Mundo 360", que se realizam a 9 de novembro, no Coliseu do Porto, e a 11 de novembro, no Coliseu de Lisboa.

Lusa

  • Primeiro-ministro hoje na cidade da Praia 

    País

    O primeiro-ministro, António Costa, está hoje em Cabo Verde para a a IV cimeira bilateral entre Portugal e aquele país africano, aproveitando a passagem pela cidade da Praia para inaugurar a escola portuguesa.

  • Deputados britânicos debatem hoje petição que desvaloriza visita de Donald Trump

    Mundo

    Os deputados britânicos debatem hoje uma petição que reclama que a futura visita de Estado do Presidente norte-americano, Donald Trump, seja reduzida a uma visita oficial, enquanto dezenas de milhares de pessoas se manifestam sobre o mesmo assunto. Dezenas de milhares de pessoas são esperadas hoje nas ruas de várias cidades do Reino Unido, em protestos organizados para coincidir com a discussão no parlamento (na Câmara dos Comuns) de uma petição 'online' que já tem quase dois milhões de subscritores.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Matteo Renzi demite-se da liderança do Partido Democrático

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi demitiu-se hoje da liderança do Partido Democrata (PD), uma decisão que faz parte de uma estratégia para retomar o controlo da formação de centro-esquerda, onde uma minoria mais à esquerda ameaça cindir-se.