sicnot

Perfil

Cultura

"Cartas da Guerra" é o candidato de Portugal a uma nomeação para os Óscares e os Goya

O filme "Cartas da Guerra", de Ivo M. Ferreira, é o candidato de Portugal a uma nomeação para os prémios Óscares (Estados Unidos) e Goya (Espanha), anunciou esta terça-feira a Academia Portuguesa de Cinema.

A longa-metragem, uma história de amor que é também um retrato da Guerra Colonial, é submetida a uma nomeação para o Óscar de melhor filme estrangeiro, e é também a escolha de Portugal para os prémios espanhóis Goya, na categoria de melhor filme ibero-americano.

"Cartas da Guerra" teve estreia mundial em fevereiro, em Berlim, e chegou aos cinemas portugueses a 01 de setembro, tendo sido visto por cerca de 12.000 espectadores, segundo a produtora.

A partir da correspondência entre o escritor António Lobos Antunes e a primeira mulher, Maria José, quando esteve destacado nos anos 1970 em Angola, Ivo M. Ferreira deixa um retrato sobre "a maior tragédia portuguesa do século XX", como contou à agência Lusa.

Apesar de Ivo M. Ferreira ter feito pesquisa e investigação, o mote para o filme foi o livro "D'este viver aqui neste papel descripto", com as cartas organizadas pelas filhas de Lobo Antunes e da mulher. Médico de formação, na altura Lobo Antunes ainda não tinha trinta anos nem tinha publicado qualquer romance.

"Cartas da guerra" foi rodado em Portugal e em Angola, com mais de 40 atores, entre os quais Miguel Nunes, no papel de António, e Margarida Vila-Nova, que representa Maria José e é a leitora das cartas de amor, fio condutor de toda a narrativa do filme.

"Esta é a minha visão, pelos vistos bate certo com a de outras pessoas. Eu estou a falar de uma tragédia humana, dos portugueses, dos angolanos. Estou a falar destas vítimas que foram empurradas brutalmente para uma guerra estúpida e injusta e completamente fora de época", explicou o realizador.

"Cartas da Guerra" concorre ainda uma nomeação para os prémios da Academia Europeia de Cinema e, em 2017, terá estreia comercial garantida em vários países, entre os quais França, Brasil e Holanda.

A cerimónia dos Goya, os prémios da Academia de Cinema de Espanha, decorrerá a 04 de fevereiro, em Madrid, e a dos Óscares está marcada para 26 de fevereiro, em Los Angeles.

Lusa

  • Um resgate da memória e uma homenagem às mulheres
    8:39

    Cultura

    Já está nos cinemas "Cartas da Guerra". Ivo Ferreira inspirou-se nas cartas que António Lobo Antunes escreveu à mulher, no início dos anos 70, enquanto esteve destacado como médico em Angola durante a guerra colonial. Para o realizador, o filme trata-se de um resgate da memória.

  • Ivo M. Ferreira filma memórias da Guerra Colonial
    13:15

    Cartaz

    Inspirando-se em António Lobo Antunes, Ivo M. Ferreira revisita as memórias da Guerra Colonial em “Cartas da Guerra”. João Lopes comenta as novidades da semana, destacando ainda “11 Minutos”, o mais recente trabalho do polaco Jerzy Skolimowski, e “Florence, uma Diva Fora de Tom”, com Meryl Streep.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.