sicnot

Perfil

Cultura

Restos mortais de Mário Cesariny vão ser trasladados para jazigo nos Prazeres

Os restos mortais do poeta e artista plástico Mário Cesariny (1923-2006) vão ser trasladados para um jazigo individual, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Contactado pela agência Lusa, o diretor do Centro Cultural Casapiano, João Louro, indicou que a trasladação, ainda sem data marcada, decorrerá no âmbito das comemorações do 10.º aniversário da morte do artista, "grande vulto da cultura portuguesa".

Mário Cesariny faleceu a 26 de novembro de 2006, e, desde então, encontra-se provisoriamente sepultado no Talhão dos Artistas do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

De acordo com João Louro, a Casa Pia de Lisboa, em conjunto com o testamenteiro Manuel Rosa e com a colaboração direta da Câmara Municipal de Lisboa e a Fundação Cupertino de Miranda estão a preparar a trasladação dos restos mortais de Cesariny para um jazigo no Cemitério dos Prazeres, cedido pela autarquia.

Considerado um dos principais representantes do movimento surrealista em Portugal, Mário Cesariny de Vasconcelos foi poeta, pintor, e também desenvolveu um trabalho intenso de recolha, compilação e arquivismo das atividades destes artistas.

Na sequência da sua morte, veio a público a entrega, em testamento, de um milhão de euros à Casa Pia de Lisboa, valor destinado ao apoio das crianças e jovens com dificuldades sociais e económicas.

Questionado pela Lusa sobre a aplicação dessa verba, João Louro indicou que "está a ser aplicada em ações de educação e formação dos jovens" da Casa Pia, "como o artista desejou".

Ainda sobre a trasladação, o objetivo é concretizar o projeto inicial "de dar uma sepultura condigna ao artista", em colaboração com as várias instituições envolvidas.

"Os custos associados às obras de adaptação e limpeza do jazigo, que incluem a colocação de uma escultura concebida pelo amigo e testamenteiro de Mário Cesariny, Manuel Rosa, serão suportados pela Casa Pia de Lisboa, estando esta instituição a desenvolver os procedimentos necessários para o efeito", assinala o responsável, num comunicado enviado à Lusa.

Ainda segundo a mesma fonte, vai ser em breve divulgado o programa das iniciativas que vão assinalar o 10.º aniversário da morte de Mário Cesariny, com a participação de todas as entidades.

Mário Cesariny recebeu vários prémios pela obra escrita e plástica, nomeadamente o Prémio Vida Literária, da Associação Portuguesa de Escritores, e o Grande Prémio EDP de Artes Plásticas.

Depositou a sua obra plástica na Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.