sicnot

Perfil

Cultura

"Snowden" estreia nas salas de cinemas portuguesas na quinta-feira

O filme "Snowden", de Oliver Stone, que estreia na quinta-feira em Portugal, convoca os espetadores a decidir se o ex-consultor da NSA que revelou a vigilância em massa de comunicações privadas é um traidor ou um patriota.

Joseph Gordon-Lewitt, que encarna Edward Snowden no filme do premiado realizador "antissistema", afirmou em entrevistas não ter dúvidas de que ele é um patriota.

"Mostrou dois tipos de patriotismo, quando se alistou no exército em 2004, no auge da guerra do Iraque, para combater pelo seu país, e quando chamou o seu governo à responsabilidade através da fuga" de documentos classificados, disse.

"Ele fez o que fez verdadeiramente por amor ao seu país e aos princípios sobre os quais o seu país foi fundado", acrescentou o ator, que na rodagem do filme se encontrou várias vezes com Snowden, exilado na Rússia desde 2013.

O filme, que estreou a 16 de setembro nos Estados Unidos entrando para o quarto lugar das receitas de bilheteira, tem a aprovação de Snowden, que numa entrevista ao jornal britânico Financial Times disse que, politicamente, "é o mais próximo da realidade" que um filme pode ser.

Oliver Stone, 70 anos, recebeu o Oscar de Melhor Realizador com os filmes "Platoon - Os Bravos do Pelotão" (1986) e "Nascido a 4 de Julho" (1989).

A sua carreira, plena de filmes sobre questões políticas, inclui a trilogia presidencial "JFK" (1991), "Nixon" (1995) e "W." (2008) e a série documental "A História Não Contada dos Estados Unidos" (2012-2013).

Stone interessou-se também pela desregulação do mundo financeiro - "Wall Street" (1987) e "Wall Street - O Dinheiro Nunca Dorme" (2010) - e a política internacional - "Comandante" (2003), sobre Fidel Castro, e "Ao Sul da Fronteira", um documentário com entrevistas a Hugo Chávez, Cristina Kirchner e Rafael Correa -, e prepara agora um filme sobre Vladimir Putin.

Antes de chegar ao grande público, "Snowden" foi exibido em julho na convenção de entretenimento Comic-Com, em San Diego, e, em setembro, no Festival de Cinema de Toronto e no Festival de Cinema de San Sebastian.

Polémico por natureza, Oliver Stone aproveitou estas exibições para alertar para a falta de privacidade do mundo atual. Questionado em San Diego sobre o jogo "Pokemon Go", considerou tratar-se de "um novo nível de invasão pessoal" e de "capitalismo de vigilância".

Antes da exibição do filme foram distribuídos pensos rápidos, usados para tapar a câmara dos computadores portáteis e proteger dessa forma a privacidade.

O filme baseia-se no livro "Os Ficheiros Snowden", uma crónica do caso escrita por Luke Harding, do jornal britânico The Guardian, e no thriller político "The Time of the Octupus" ("A Hora do Polvo"), da autoria do advogado russo de Snowden, Anatoly Kucherena.

Relata a história de Edward Snowden desde que ingressou no exército até ser contratado pela Agência Central de Informações (CIA) e pela NSA, responsável pela espionagem electrónica dos Estados Unidos.

Além de Gordon-Lewitt, participam na longa-metragem Shailene Woodley, Melissa Leo, Zachary Quinto, Tom Wilkinson e Nicholas Cage.

Segundo Oliver Stone, todos os grandes estúdios cinematográficos norte-americanos recusaram financiar o filme: "Francamente, foi recusado por todos os grandes estúdios. Foi decididamente autocensura. Não acredito que houvesse um inimigo como a NSA escondido na sombra, mas a autocensura é enorme nesta indústria", disse o realizador em julho.

O filme é distribuído por uma produtora independente criada há cinco anos, a Open Road, que em 2015 produziu "O Caso Spotlight", vencedor do Oscar para Melhor Filme, sobre a investigação do jornal Boston Globe que revelou o escândalo de abusos sexuais de menores por membros da Igreja Católica.

Dois dias antes da estreia nas salas norte-americanas, três das principais organizações internacionais de defesa dos direitos humanos - Amnistia Internacional, Human Rights Watch e a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) - lançaram uma campanha global para pedir ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que perdoe Edward Snowden, acusado de espionagem nos EUA, antes de terminar o mandato, em janeiro de 2017.

Várias personalidades assinaram desde então a petição colocada no site, incluindo o empresário e filantropo George Soros, o realizador Michael Moore, os atores Martin Sheen e Susan Sarandon, os músicos Peter Gabriel, Jean-Michel Jarre e Laurie Anderson, o linguista e filósofo Noam Chomski ou as escritoras Ursula Le Guin e Joyce Carol Oates.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.