sicnot

Perfil

Cultura

"Snowden" estreia nas salas de cinemas portuguesas na quinta-feira

O filme "Snowden", de Oliver Stone, que estreia na quinta-feira em Portugal, convoca os espetadores a decidir se o ex-consultor da NSA que revelou a vigilância em massa de comunicações privadas é um traidor ou um patriota.

Joseph Gordon-Lewitt, que encarna Edward Snowden no filme do premiado realizador "antissistema", afirmou em entrevistas não ter dúvidas de que ele é um patriota.

"Mostrou dois tipos de patriotismo, quando se alistou no exército em 2004, no auge da guerra do Iraque, para combater pelo seu país, e quando chamou o seu governo à responsabilidade através da fuga" de documentos classificados, disse.

"Ele fez o que fez verdadeiramente por amor ao seu país e aos princípios sobre os quais o seu país foi fundado", acrescentou o ator, que na rodagem do filme se encontrou várias vezes com Snowden, exilado na Rússia desde 2013.

O filme, que estreou a 16 de setembro nos Estados Unidos entrando para o quarto lugar das receitas de bilheteira, tem a aprovação de Snowden, que numa entrevista ao jornal britânico Financial Times disse que, politicamente, "é o mais próximo da realidade" que um filme pode ser.

Oliver Stone, 70 anos, recebeu o Oscar de Melhor Realizador com os filmes "Platoon - Os Bravos do Pelotão" (1986) e "Nascido a 4 de Julho" (1989).

A sua carreira, plena de filmes sobre questões políticas, inclui a trilogia presidencial "JFK" (1991), "Nixon" (1995) e "W." (2008) e a série documental "A História Não Contada dos Estados Unidos" (2012-2013).

Stone interessou-se também pela desregulação do mundo financeiro - "Wall Street" (1987) e "Wall Street - O Dinheiro Nunca Dorme" (2010) - e a política internacional - "Comandante" (2003), sobre Fidel Castro, e "Ao Sul da Fronteira", um documentário com entrevistas a Hugo Chávez, Cristina Kirchner e Rafael Correa -, e prepara agora um filme sobre Vladimir Putin.

Antes de chegar ao grande público, "Snowden" foi exibido em julho na convenção de entretenimento Comic-Com, em San Diego, e, em setembro, no Festival de Cinema de Toronto e no Festival de Cinema de San Sebastian.

Polémico por natureza, Oliver Stone aproveitou estas exibições para alertar para a falta de privacidade do mundo atual. Questionado em San Diego sobre o jogo "Pokemon Go", considerou tratar-se de "um novo nível de invasão pessoal" e de "capitalismo de vigilância".

Antes da exibição do filme foram distribuídos pensos rápidos, usados para tapar a câmara dos computadores portáteis e proteger dessa forma a privacidade.

O filme baseia-se no livro "Os Ficheiros Snowden", uma crónica do caso escrita por Luke Harding, do jornal britânico The Guardian, e no thriller político "The Time of the Octupus" ("A Hora do Polvo"), da autoria do advogado russo de Snowden, Anatoly Kucherena.

Relata a história de Edward Snowden desde que ingressou no exército até ser contratado pela Agência Central de Informações (CIA) e pela NSA, responsável pela espionagem electrónica dos Estados Unidos.

Além de Gordon-Lewitt, participam na longa-metragem Shailene Woodley, Melissa Leo, Zachary Quinto, Tom Wilkinson e Nicholas Cage.

Segundo Oliver Stone, todos os grandes estúdios cinematográficos norte-americanos recusaram financiar o filme: "Francamente, foi recusado por todos os grandes estúdios. Foi decididamente autocensura. Não acredito que houvesse um inimigo como a NSA escondido na sombra, mas a autocensura é enorme nesta indústria", disse o realizador em julho.

O filme é distribuído por uma produtora independente criada há cinco anos, a Open Road, que em 2015 produziu "O Caso Spotlight", vencedor do Oscar para Melhor Filme, sobre a investigação do jornal Boston Globe que revelou o escândalo de abusos sexuais de menores por membros da Igreja Católica.

Dois dias antes da estreia nas salas norte-americanas, três das principais organizações internacionais de defesa dos direitos humanos - Amnistia Internacional, Human Rights Watch e a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) - lançaram uma campanha global para pedir ao Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que perdoe Edward Snowden, acusado de espionagem nos EUA, antes de terminar o mandato, em janeiro de 2017.

Várias personalidades assinaram desde então a petição colocada no site, incluindo o empresário e filantropo George Soros, o realizador Michael Moore, os atores Martin Sheen e Susan Sarandon, os músicos Peter Gabriel, Jean-Michel Jarre e Laurie Anderson, o linguista e filósofo Noam Chomski ou as escritoras Ursula Le Guin e Joyce Carol Oates.

Lusa

  • "Claramente que há mandantes e que foi uma operação organizada"
    4:14

    Crise no Sporting

    Os 23 detidos por suspeitas de terem participado no ataque à Academia de Alcochete ficaram em prisão preventiva. Miguel Sousa Tavares considera que a decisão "é mais para ser exemplar". O comentador da SIC acredita que há mandantes e que esta foi uma "operação organizada". Sousa Tavares diz ainda que os "políticos não têm coragem para impor as leis" e que em Portugal "brinca-se com a lei".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.

  • Jovem britânico em fuga é detido depois de responder à polícia no Facebook

    Mundo

    Através do Facebook, a polícia de West Yorkshire mostrou-se preocupada perante o desaparecimento de um jovem de 21 anos e pediu por informações que pudessem leva-los a descobrir Leon Smith. Contudo, o que não deveriam estar à espera, era que o próprio desaparecido respondesse na rede social e que desafiasse a polícia a "fazer o seu trabalho". As autoridades acabaram por localizar o jovem no mesmo dia.

    SIC