sicnot

Perfil

Cultura

Nobel da Literatura recusa ser empurrado para o silêncio

O prémio Nobel da Literatura V. S. Naipaul recusou esta quinta-feira ser empurrado para o silêncio e garantiu que, aos 84 anos, sente cada vez mais necessidade de escrever, como forma de evitar o silenciamento.

"O que acontece, quando temos uma certa idade, é que estamos a ser empurrados para o silêncio, para o não fazer", afirmou V. S. Naipaul, considerando que "a forma de o evitar é continuar a escrever mais e mais".

Uma necessidade que o escritor agraciado, em 2001, com o Prémio Nobel da Literatura, disse "sentir cada vez mais", sublinhando a ideia de que encara a escrita como "uma missão" para a qual acredita "estar destinado".

Com mais de meio século de carreira e 30 obras publicadas, o escritor considera que "um dos grandes mistérios da escrita é [para o escritor] encontrar o assunto", que no seu caso tem resultado em livros nos quais admite ter a preocupação de "tornar o mundo mais simples".

O escritor que não gosta de dar entrevistas participou hoje na última mesa de autores do primeiro dia do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos, onde esteve durante hora e meia à conversa com José Mário Silva e com o público que encheu a tenda dos autores.

O festival, que hoje abriu portas em Óbidos, celebra, na sua segunda edição, os 500 anos da 'Utopia' de Thomas More, o Ano Internacional do Entendimento Global, o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, os 500 anos da morte do pintor Hieronymus Bosch e os 400 da morte dos clássicos William Shakespeare e Miguel de Cervantes.

Na sexta-feira as mesas porão em destaque os autores lusófonos que protagonizam duas das quatro conversas do dia.

Joana Gorjão Henriques, Conceição Evaristo e José Sousa Jamba falam sobre racismo e a utopia lusotropicalista. Djaimilia Pereira de Almeida, Miguel Gullander e Isabela Figueiredo sobre autoficção e memórias de Africa.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.