sicnot

Perfil

Cultura

Nobel da Literatura recusa ser empurrado para o silêncio

O prémio Nobel da Literatura V. S. Naipaul recusou esta quinta-feira ser empurrado para o silêncio e garantiu que, aos 84 anos, sente cada vez mais necessidade de escrever, como forma de evitar o silenciamento.

"O que acontece, quando temos uma certa idade, é que estamos a ser empurrados para o silêncio, para o não fazer", afirmou V. S. Naipaul, considerando que "a forma de o evitar é continuar a escrever mais e mais".

Uma necessidade que o escritor agraciado, em 2001, com o Prémio Nobel da Literatura, disse "sentir cada vez mais", sublinhando a ideia de que encara a escrita como "uma missão" para a qual acredita "estar destinado".

Com mais de meio século de carreira e 30 obras publicadas, o escritor considera que "um dos grandes mistérios da escrita é [para o escritor] encontrar o assunto", que no seu caso tem resultado em livros nos quais admite ter a preocupação de "tornar o mundo mais simples".

O escritor que não gosta de dar entrevistas participou hoje na última mesa de autores do primeiro dia do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos, onde esteve durante hora e meia à conversa com José Mário Silva e com o público que encheu a tenda dos autores.

O festival, que hoje abriu portas em Óbidos, celebra, na sua segunda edição, os 500 anos da 'Utopia' de Thomas More, o Ano Internacional do Entendimento Global, o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, os 500 anos da morte do pintor Hieronymus Bosch e os 400 da morte dos clássicos William Shakespeare e Miguel de Cervantes.

Na sexta-feira as mesas porão em destaque os autores lusófonos que protagonizam duas das quatro conversas do dia.

Joana Gorjão Henriques, Conceição Evaristo e José Sousa Jamba falam sobre racismo e a utopia lusotropicalista. Djaimilia Pereira de Almeida, Miguel Gullander e Isabela Figueiredo sobre autoficção e memórias de Africa.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.