sicnot

Perfil

Cultura

Nobel da Literatura recusa ser empurrado para o silêncio

O prémio Nobel da Literatura V. S. Naipaul recusou esta quinta-feira ser empurrado para o silêncio e garantiu que, aos 84 anos, sente cada vez mais necessidade de escrever, como forma de evitar o silenciamento.

"O que acontece, quando temos uma certa idade, é que estamos a ser empurrados para o silêncio, para o não fazer", afirmou V. S. Naipaul, considerando que "a forma de o evitar é continuar a escrever mais e mais".

Uma necessidade que o escritor agraciado, em 2001, com o Prémio Nobel da Literatura, disse "sentir cada vez mais", sublinhando a ideia de que encara a escrita como "uma missão" para a qual acredita "estar destinado".

Com mais de meio século de carreira e 30 obras publicadas, o escritor considera que "um dos grandes mistérios da escrita é [para o escritor] encontrar o assunto", que no seu caso tem resultado em livros nos quais admite ter a preocupação de "tornar o mundo mais simples".

O escritor que não gosta de dar entrevistas participou hoje na última mesa de autores do primeiro dia do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos, onde esteve durante hora e meia à conversa com José Mário Silva e com o público que encheu a tenda dos autores.

O festival, que hoje abriu portas em Óbidos, celebra, na sua segunda edição, os 500 anos da 'Utopia' de Thomas More, o Ano Internacional do Entendimento Global, o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, os 500 anos da morte do pintor Hieronymus Bosch e os 400 da morte dos clássicos William Shakespeare e Miguel de Cervantes.

Na sexta-feira as mesas porão em destaque os autores lusófonos que protagonizam duas das quatro conversas do dia.

Joana Gorjão Henriques, Conceição Evaristo e José Sousa Jamba falam sobre racismo e a utopia lusotropicalista. Djaimilia Pereira de Almeida, Miguel Gullander e Isabela Figueiredo sobre autoficção e memórias de Africa.

Lusa

  • "Afinal, o diabo não chegou em setembro"

    Economia

    Catarina Martins considera que os dados da Execução Orçamental mostram uma redução grande do défice e que são a prova de que "afinal o diabo não chegou em setembro". Os dados foram analisados da Esquerda à Direita e, se por um lado, a Direita não ficou convencida, a Esquerda considera que o Governo está no rumo certo.

  • Passos diz que o Governo quer isentar o PS da desgraça dos últimos anos

    Economia

    Passos Coelho não acredita que o País consiga um défice inferior a 2,5%. No dia em que esteve em Castelo Branco e Santarém, o líder da oposição acusou o Governo de ser responsável pelo fraco investimento e voltou a comparar a governação de António Costa à de José Sócrates. Passos acusou ainda o PS de querer reescrever a história para se isentar do que aconteceu nos últimos anos.

  • Responda às Perguntas da Semana
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    A liderança do Benfica no campeonato, as derrotas do Sporting de Jorge Jesus, e a qualidade do plantel do FC Porto são alguns dos temas das perguntas desta semana. Participe no Tempo Extra e responda às questões lançadas por Rui Santos.