sicnot

Perfil

Cultura

Nobel da Literatura recusa ser empurrado para o silêncio

O prémio Nobel da Literatura V. S. Naipaul recusou esta quinta-feira ser empurrado para o silêncio e garantiu que, aos 84 anos, sente cada vez mais necessidade de escrever, como forma de evitar o silenciamento.

"O que acontece, quando temos uma certa idade, é que estamos a ser empurrados para o silêncio, para o não fazer", afirmou V. S. Naipaul, considerando que "a forma de o evitar é continuar a escrever mais e mais".

Uma necessidade que o escritor agraciado, em 2001, com o Prémio Nobel da Literatura, disse "sentir cada vez mais", sublinhando a ideia de que encara a escrita como "uma missão" para a qual acredita "estar destinado".

Com mais de meio século de carreira e 30 obras publicadas, o escritor considera que "um dos grandes mistérios da escrita é [para o escritor] encontrar o assunto", que no seu caso tem resultado em livros nos quais admite ter a preocupação de "tornar o mundo mais simples".

O escritor que não gosta de dar entrevistas participou hoje na última mesa de autores do primeiro dia do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos, onde esteve durante hora e meia à conversa com José Mário Silva e com o público que encheu a tenda dos autores.

O festival, que hoje abriu portas em Óbidos, celebra, na sua segunda edição, os 500 anos da 'Utopia' de Thomas More, o Ano Internacional do Entendimento Global, o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, os 500 anos da morte do pintor Hieronymus Bosch e os 400 da morte dos clássicos William Shakespeare e Miguel de Cervantes.

Na sexta-feira as mesas porão em destaque os autores lusófonos que protagonizam duas das quatro conversas do dia.

Joana Gorjão Henriques, Conceição Evaristo e José Sousa Jamba falam sobre racismo e a utopia lusotropicalista. Djaimilia Pereira de Almeida, Miguel Gullander e Isabela Figueiredo sobre autoficção e memórias de Africa.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.