sicnot

Perfil

Cultura

Orquestra Metropolitana de Lisboa abre a temporada com Artur Pizarro

A Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) abre a temporada de 2016/17 no próximo domingo em Lisboa, com concertos constituído por obras de Ana Seara, Sergei Prokofiev e Ludwig van Beethoven.

O concerto de abertura da temporada está agendado para as 19:00 no Centro Cultural de Belém (CCB), sob a direção do maestro Pedro Amaral, e sendo solista o pianista Artur Pizarro.

De Ana Seara será interpretada a peça "Le foncé ciel de la nuit glacée", de Prokofiev, o Concerto para Piano e Orquestra N.º 3, de Beethoven, a Sinfonia N.º 5.

A temporada da OML volta a assentar em três eixos centrados na música Barroca, na Clássica e na Sinfónica.

Cada um dos eixos apresenta-se num espaço concreto em Lisboa: a Temporada Barroca, no Palácio Foz, a Clássica, no Teatro Thalia, e a Sinfónica, no CCB, a par de outros projetos como o Ateliê de Ópera, que tem tido "uma procura cada vez maior", como afirmou Pedro Amaral, diretor artístico da Metropolitana, na apresentação da programação em junho último.

Pedro Amaral, que é o diretor artístico e pedagógico da Metropolitana, destacou também a interpretação da Integral das Sinfonias de Beethoven, que é apresentada em outubro, no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra.

O maestro realçou "o exercício de fôlego" da orquestra, para executar este projeto, sob a sua direção, e, segundo informação da OML, a última oportunidade de escutar a integral, em quatro dias seguidos, em Portugal, ocorreu em 1973, nos Coliseu dos Recreios, em Lisboa, pela Royal Philharmonic Orchestra, sob a batuta de Yuri Ahronovich.

A temporada barroca decorre de novembro próximo a junho de 2017 e, dos nove concertos previstos, Amaral destacou a integral dos concertos para Dois Cravos, de Bach, com os cravistas Aapo Hakkinen e Marcos Magalhães, o concerto de Páscoa, com o Coro Voces Caelestes, que inclui no programa duas cantatas de Bach, e o da OML, sob a direção de Marcos Magalhães, que inclui peças de Lully, Rebel e Rameau.

Da Temporada Clássica, Amaral realçou a integral dos concertos para Violino de Mozart, em janeiro de 2017, em que serão solistas quatro alunos da Metropolitana, todos do professor Aníbal Lima, que celebra 50 anos de carreira, "e que, desta forma, é homenageado". Os solistas são Vítor Vieira, Juan Maggiorani, Ana Pereira e José Teixeira.

Desta temporada, destaca-se ainda a estreia da peça de Sérgio Azevedo, "Giochi di ucceli" ("Jogos dos pássaros", em tradução literal), para flauta e orquestra, com Nuno Silva como solista.

A Temporada Sinfónica totaliza sete concertos.

Artur Pizarro é o artista associado da temporada e professor convidado na Academia da Metropolitana e participará também no concerto que encerra a temporada, em junho de 2017, com "O piano de Liszt", em que irá tocar, num piano do compositor, os dois concertos deste para piano e orquestra, com a OML, sob a batuta de Adrian Leaper.

A OML tem previsto concertos com os fadistas Camané e Ricardo Ribeiro. O criador de "Sei de um rio" atua no Teatro Municipal S. Luiz, em março próximo, "num projeto muito especial", adiantou Pedro Amaral, e Ricardo Ribeiro estreia, em novembro, a "Toada de Portalegre", de José Régio, numa composição do libanês Rabih Abou-Khalil, com a OML sob a direção de Jan Wierza.

Lusa

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • Destaques económicos que marcaram a semana
    2:03

    Economia

    A semana ficou marcada pela tragédia provocada pelos incêndios no centro do país. No entanto importa olhar para o que se passou noutras áreas e fazer um resumo das notícias relacionadas com a economia. 

  • Martin Schulz ataca Merkel a três meses das legislativas

    Mundo

    O social-democrata alemão Martin Schulz passou este domingo à ofensiva, a três meses das eleições legislativas, ao acusar Angela Merkel de "arrogância" e de sabotar a "democracia", quando as sondagens apontam para uma larga vantagem da chanceler da Alemanha.

  • Martha, a cadela mais feia do mundo
    0:42

    Mundo

    A cadela Martha, de raça mastim napolitano ficou em primeiro lugar na edição anual do concurso que elege os cães mais feios do mundo. A cadela tem três anos, pesa 57 quilos e foi resgatada pela dona quando estava praticamente cega. Acabou por recuperar a visão depois de várias operações. Martha e a dona receberam um prémio de 1.500 dólares e uma viagem a Nova Iorque para marcarem presença em programas de televisão.