sicnot

Perfil

Cultura

Coleção Miró vai permanecer no Porto

Joan Miro, Paysanne en colère.

Christie’s

O primeiro-ministro anunciou esta terça-feira que o executivo socialista já se decidiu pela manutenção permanente na cidade do Porto da coleção de arte plástica do artista catalão Joan Miró, o maior conjunto de obras mundial daquele autor.

"O Governo já tomou a decisão de fixar definitivamente na cidade do Porto a famosa coleção dos quadros de Miró de forma a que o Porto possa ter um novo polo de atratividade que ajude a consolidar e a reforçar a que tem tido ao longo dos últimos anos", afirmou António Costa, na inauguração da III Cimeira do Turismo Português, que decorre esta terça-feira, no Museu do Oriente, Lisboa, assinalando o Dia Mundial daquele setor económico.

A coleção Miró passou para a posse do Estado depois da nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN).

O Museu de Serralves acolhe a partir de sexta-feira a exposição "Joan Miró: Materialidade e metamorfose", que integra 84 obras do artista.

Na segunda-feira, o BE defendeu que as obras de Miró ficassem expostas em permanência no Porto e mostrou-se "empenhado" em garantir essa solução, nomeadamente junto do Governo.

A informação foi transmitida aos jornalistas depois de uma comitiva bloquista ter sido recebida a seu pedido na Câmara do Porto pelo autarca Rui Moreira, que, em julho, revelou estar a conversar com o Governo para avaliar potenciais espaços para acolher a coleção do artista.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20