sicnot

Perfil

Cultura

Jornalista investiga rendimentos de Elena Ferrante para descobrir identidade da escritora

Um jornalista italiano afirmou ter descoberto, graças aos rendimentos declarados, a identidade de Elena Ferrante, escritora de êxito indicada para o prémio Nobel da Literatura que tem mantido o anonimato.

http://www.fnac.pt/

Até aqui, as investigações sobre a identidade de Ferrante tinham sido limitadas ao universo e estilo literário da autora, mas o jornalista Claudio Gatti, do diário económico Il Sole 24 Ore, interessou-se pelos aspetos financeiros do mistério.

Gatti garantiu que não se trata nem de uma napolitana, nem de uma mãe costureira, como afirmou a escritora em "Frantumaglia": Elena Ferrante é Anita Raja, uma tradutora romana nascida em 1953, filha de um magistrado napolitano e de uma professora de alemão de origem polaca.

Para chegar a esta conclusão, o jornalista analisou os movimentos financeiros da Edizioni E/O, pequena editora romana que publica os romances de Elena Ferrante e com a qual colabora também Anita Raja.

De acordo com Gatti, os rendimentos da editora aumentaram 65% em 2014, ano em que as obras de Elena Ferrante se tornaram best-sellers em inglês, e e 150% no ano passado. Aumentos da mesma ordem aparecem nos rendimentos de Anita Raja.

Se este aumento é incompatível com uma atividade de "simples tradutora freelance", parece "perfeitamente coerente" com a evolução dos direitos de autor de Elena Ferrante, garantiu.

Contactada pela agência noticiosa France Presse (AFP), a editora recusou comentar.

A escritora, que se estreou na literatura na década de 1990, conquistou notoriedade internacional com a tetralogia napolitana "A Amiga Genial".

Nas raras entrevistas que concedeu, sempre por correio eletrónico, Elena Ferrante afirmou que o anonimato era necessário para dar mais peso às personagens e ao enredo. Alguns críticos também viram neste anonimato uma estratégia comercial.

Nos últimos anos, as especulações em torno da identidade não pararam de crescer. Ninguém sabe a idade ou conhece o rosto de Ferrante, e apesar dos vários nomes mencionados pela imprensa, nenhum foi confirmado.

A publicação da investigação de Gatti, nas edições de domingo, no Il Sole 24 Ore, New York Review of Books, Frankfurter Allgemeine Zeitung e no site Mediapart, desencadearam várias críticas a denunciar um atentado à vida privada da autora.

"Fi-lo por pensar que ela é uma figura muito pública e quando os leitores compram milhões de livros têm o direito de saber qualquer coisa sobre a pessoa que criou estes livros", disse Gatti à cadeia britânica BBC.

Em "Frantumaglia", que vai ser publicado nos Estados Unidos dentro de algumas semanas, ela forneceu alguns elementos apresentados como "respostas à exigência legítima de informações sobre ela", lembrou.

"O problema é que a obra Frantumaglia está cheia de inverdades, ela não se descreveu, ela mentiu sobre a vida pessoal que escolheu apresentar. Enquanto jornalista, não gosto de mentiras", explicou Gatti.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.