sicnot

Perfil

Cultura

Matilde Campilho, Lobo Antunes e Mia Couto selecionados para prémio Oceanos

O livro poesia de Matilde Campilho, "Jóquei", e os romances "Galveias", de José Luís Peixoto, e "Não é meia-noite quem quer", de António Lobo Antunes, estão entre os semifinalistas do Oceanos - Prémio de Literatura em Língua Portuguesa.

O instituto Itaú Cultural, organizador do galardão que substitui Prémio Portugal Telecom, anunciou a lista das 50 obras semifinalistas para a edição de 2016, repartidas entre as categorias de poesia, romance, conto e crónica. Este ano, serão atribuídos prémios a "quatro livros de criação literária em língua portuguesa".

No que toca à literatura portuguesa, além das obras de Matilde Campilho, Lobo Antunes e José Luís Peixoto, entre os semifinalistas estão "139 epigramas para sentimentalizar pedras", livro de poesia do sociólogo Boaventura de Sousa Santos, e os romances "O pecado de Porto Negro", de Norberto Morais, e "Uma menina está perdida no seu século à procura do pai", de Gonçalo M. Tavares.

Entre os 740 títulos inscritos para o prémio estão também "A rainha ginga", do escritor angolano José Eduardo Agualusa, e "Mulheres de cinzas", do moçambicano Mia Couto.

"Escuta", de Eucanaã Ferraz, "Outro silêncio", de Alice Ruiz - ambos de poesia -, e o romance "A resistência", de Julián Fuks, figuram entre os semifinalistas da literatura brasileira.

A lista dos dez finalistas será revelada a 18 de novembro.

O prémio Oceanos, que cumpre a segunda edição, depois da extinção do Prémio Portugal Telecom, distingue as melhores obras de escritores lusófonos publicadas no Brasil.

No ano passado, o prémio foi atribuído ao escritor brasileiro Silviano Santiago, 80 anos, pelo romance "Mil Rosas Roubadas".

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.